Psicologia - 14/08/2004
A preocupação





Nossa cabeça pode esquentar se nos preocuparmos excessivamente com os problemas? Há o perigo do nosso cérebro fritar de repente? Ou então, a mente entrar em uma pane espetacular?

Felizmente, nosso cérebro tem saídas apropriadas para o desgaste mental. As células permanecem intactas, mas tudo que foge ao equilíbrio causa danos ao nosso corpo. Ele tem que trabalhar mais, elaborar mais hormônios, enfim acelerar muito para compensar o esforço redobrado.

Uma emoção negativa como a preocupação pode causar danos ao nosso organismo. Gera tensão e ansiedade, venenos altamente perigosos para o nosso sistema nervoso, imunológico, circulatório, etc.

O que é a preocupação? "A preocupação é uma atividade do momento presente. Imobilização no presente em resultado de coisas que irão ou não acontecer no futuro." Você paralisa sua vida em torno de assuntos sobre os quais nem sempre tem controle. A preocupação também pode ser uma justificativa para certos comportamentos autodestrutivos. Uma pessoa ansiosa que se preocupa muito, poderá assaltar a geladeira várias vezes ao dia. Ela poderá justificar a gula como desculpa: "Quando estou preocupada, como muito!"

Você sabe que a preocupação em nada vai alterar seu momento presente. Muitas vezes, confundimos nossa preocupação com amor e cuidados com a pessoas amada. A gente se pergunta: "É óbvio que eu me preocupo com meus filhos. Eu os amo!"

Parece que a preocupação é um atestado de maturidade. No entanto, ela nada faz por nosso futuro. Planejar o futuro é diferente da preocupação mórbida com o futuro.

Janaína vivia preocupada com sua conta bancária. Queria sair do cheque especial e não conseguia. Estava tensa e só pensava nisso. Noites insones. Péssimo rendimento no trabalho. No entanto, nada fazia de concreto para amenizar suas dívidas e a situação financeira no banco. Continuava com o péssimo hábito de gastar demais usando cheques pré- datados. Sua preocupação se tratava de uma fuga do momento presente e não resolvia suas dificuldades atuais.

A preocupação é uma ótima fuga para deixamos de viver e agir no momento presente. Afinal, temos que nos preocupar! A impressão que temos é que sem a preocupação nada será feito. "Temos que nos preocupar com o Projeto Fome Zero." "Estamos preocupados com o desemprego." "Eu me preocupo com a possibilidade de ter um enfarto fulminante." "Fico preocupado com o futuro dos meus filhos." Algumas pessoas têm uma preocupação muito curiosa: "Eu me preocupo com o fato de não ter nada com que me preocupar!"

Vamos fazer uma tentativa? Dedicar menos tempo à preocupação. Reserve durante o dia, alguns minutos diários para se preocupar à vontade. Neste período de tempo, se preocupe com todas as catástrofes que podem vir a acontecer em sua vida. Com o tempo, você perceberá o quanto é inútil a preocupação. E reservará cada vez mais menos tempo à preocupação.

Somos humanos e ainda falhos. O mundo é dinâmico e inseguro. Não conseguimos ainda a serenidade necessária para vermos os problemas sob um ângulo menos negativo. Faça alguma coisa em benefício próprio para aumentar seu equilíbrio psíquico e o prazer de desfrutar da vida. Pode ser ginástica, yoga, meditação, enfim procure alternativas para obter uma qualidade de vida útil e produtiva.

Você não pode evitar os problemas , mas pode evitar "fritar os miolos", "esquentar a moringa", "esquentar a cabeça" com a inútil preocupação. Deste modo, evitará uma série de aborrecimentos e sintomas psicossomáticos causados pelo excesso de ansiedade.

Somos donos do nosso corpo e das nossas emoções.

E você, conseguiu ler o texto sem ficar preocupado(a) com alguma coisa?

Não?!! Bem, comece agora a viver mais e a se preocupar menos!


Bibliografia consultada: Seus pontos fracos - Dr. Wayne W. Dyer.


Sandra Cecília

 

Copyright © 2003-2009 Relax Mental
Sandra Cecília / Renato Augusto - Relax Mental - desde 13 de junho de 2003