Psicologia - 21/11/2003
Auto-estima




O que é a tão famosa auto-estima? Às vezes difícil de ser alcançada. O que fazer quando ela some e nos deixa com ódio do próprio espelho?

Afinal o que é se amar? Cuidar do corpo, da higiene pessoal e dos pensamentos? Ser bom com as pessoas ou ser feliz?

A auto-estima caminha ao lado do ser humano e pode ser acessível desde que ele trabalhe consigo mesmo este amor incondicional. Classifico a auto-estima como um amor incondicional que temos com nossa própria essência.

Vivemos vários enfoques no mundo: o que se pensa sobre si mesmo, como o outro nos vê e como somos na essência.

A visão que temos do nosso próprio eu pode ser distorcida por vários fatores: estress, forte auto-crítica, complexo de inferioridade. Nossa percepção não condiz com nossa essência e nos sentimos inseguros e insatisfeitos.

A opinião dos pais,a crítica excessiva pode influenciar a maneira como agimos no mundo.

Todo ser humano tem o desejo de ser aceito e apreciado. Você gosta de receber críticas? Como reage quando é elogiado? Certamente, de forma diferente quando recebe uma crítica.
A reação mais natural e instintiva é a seguinte: "Nossa, você está equivocado." "Puxa, você exagerou." Agora, quando recebemos um elogio, a nossa reação é diferente: "Ah, obrigado, não sou assim! Você está sendo gentil!"

A auto-estima está vinculada à apreciação positiva ou negativa do outro?

Ex: Maria escolhe um vestido branco para sair no sábado. A jovem tem alguns problemas de auto-aceitação. Uma das suas amigas sugere: "Maria, vá com o vestido azul marinho. O branco lhe deixa mais gorda."

Maria sente uma pontada de raiva e frustração. A opinião da amiga aumentou seu complexo de inferioridade. Ela não tem opinião própria e se influencia pela opinião das amigas. Será como um barco sem vela que navega ao sabor do vento.


A auto-estima não é estável. Algumas pessoas, quando não são reconhecidas pelo que fazem ou sentem, caem na mais profunda depressão.

"Não sirvo para nada!" Vem um sentimento de desvalia e auto-comiseração.

O que fazer para conviver bem consigo mesmo? Manter acesa a chama do controle das próprias emoções. Muitas pessoas têm uma infância frágil e difícil, outras pais repressores, outros nascem órfãos.

No entanto, mesmo com esta miscelânia de influencias , algumas pessoas seguem o caminho da vitória pessoal. Parecem impregnadas de uma energia positiva admirável. Não se deixam abalar por críticas ou falsas apreciações e perseveram até vencer.

Outros, tem uma vida particularmente fácil. Pais sensíveis e amigos, mas mesmo assim, crescem com o psiquismo frágil. Desfalecem ante qualquer crítica ou apreciação negativa do outro.

Cultive sua auto-estima todos os dias. Como você é um ser humano povoado de emoções, nem sempre conseguirá ter tudo sobre controle. Conviverá com fases ruins e boas que poderão oscilar sua auto- estima. E se sentirá o último dos homens ou das mulheres.

Se for contaminado pelo vírus da inveja, tudo ficará pior! Geralmente, o invejoso carece de auto-estima. Comparando-se com outras pessoas gasta energia inútil cobiçando o que não é seu. A inveja saudável pode ser aquela feita de admiração. Na perseverança, batalhamos para conseguir a vitória , o sucesso e a felicidade.

A inveja doentia acaba com a auto-estima, porque o outro é sempre melhor. A pessoa quer ter o que o outro tem: a casa, o mesmo emprego , o status, a aparência física. Prestando atenção no outro se esqueci de si próprio.

"O outro é bonito, eu não sou." "Ela está empregada. Eu não!" "Fulano é bem casado. Eu não!" Fulana conquista todos os homens e eu pareço invisível."- comparações negativas.

Observe como você se relaciona com seu corpo e mente. O que está obstruindo seu caminho para a direção da auto-estima?

O trabalho da auto-estima começa com a auto-aceitação. Você tem que se gostar, se amar... Não é o que os livros de auto-ajuda proclamam? E, com toda razão, mas por que é tão difícil manter a auto-estima em dia?

Se o patrão não reconhece seu trabalho, começa a ter dúvidas do seu desempenho profissional. Se aquela pessoa especial não corresponde aos seus anseios de amor se sente feio ou desajeitado.

Precisar da aprovação dos outros para ser feliz ou se aceitar é um risco para sua auto-estima. Ficará sempre insatisfeito, porque viver para satisfazer ou agradar os outros consome muita energia. Soa falso querer agradar todo mundo! E também atrai mágoa e ressentimento.

A auto-estima tem que ser cultivada em todos os dias da sua vida. Em certos momentos, sentirá como se ela tivesse desaparecido! Lembre-se! A mente plasma tudo o que você imagina. Então se permita a auto-aceitação. Não será fácil. Lutará sempre contra altos e baixos. Lutará algumas vezes contra o descaso das pessoas, a ingratidão de algumas e o esquecimento de outras.

Em certos momentos, você sentirá que seu espelho é bonzinho. Em outros, nem tanto. Seu corpo tem que combinar com sua essência para que você se sinta livre e feliz. Senão, sentirá uma sensação de insegurança e frustração.

Acreditar em si mesmo é um passo em direção da auto-estima. Saber diferenciar suas limitações reais das imaginárias também o ensinará a lição da sua auto-aceitação.

Você é uma essência espiritual, mas o seu corpo é o espelho do seu espírito. Ele sempre refletirá sua real tristeza ou alegria. Gostando ou não do seu corpo terá que conviver com ele a vida toda. Já pensou nisso? Que tal se dar uma chance e se gostar mais?

Auto-estima é deixar fluir a aceitação gostosa do seu corpo; presente divino.

Auto- estima também é a aceitação do outro, tal qual como ele é.

Aceitando-se tal qual é, com suas limitações e qualidades, aceitará também o outro. E o convívio consigo mesmo e com o outro neste mundo atual, será muito mais fácil.

Ter auto-estima é também fazer diariamente um trabalho reflexivo de auto-aprimoramento. Quanto mais você se conhecer mais aprenderá a lidar com os outros de maneira saudável e mais feliz!

Seja feliz!

"Ninguém pode fazer com que você se sinta inferior sem ter seu consentimento." Eleanor Roosevelt


Sandra Cecília

 

Copyright © 2003-2009 Relax Mental
Sandra Cecília / Renato Augusto - Relax Mental - desde 13 de junho de 2003