Psicologia - 02/03/2004
Saudade

O que eu faço com esta Saudade?




"Saudade, lembrança suave ou nostálgica de pessoa ou coisa distante ou distinta".- dicionário Aurélio.

Às vezes, ela nos toca profundamente com algum tipo de pesar. É mais dolorosa, quando sabemos que a pessoa amada não retornará mais ao nosso convívio. Pode atingir picos de desespero e inconformação. Não é fácil encarar a perda de uma pessoa amada. A morte sempre chega na vida de um ser humano. E, sempre, nos lembramos de algum parente falecido.

O que fazer com esta saudade pungente? Quando a lembrança é suave e nos traz reconforto não é perigosa. No entanto, quando ela vem junto com um pacotinho de revolta e indignação, é preciso parar e repensar.

Nada mais dolorido do que a lembrança de tempos felizes em épocas de adversidade. "Ah, eu era feliz e não sabia!"- suspiramos. A vida sempre vai nos presentear com esta saudade. Quando você estiver muito triste, lembrando de épocas felizes, dê um pulinho no futuro. A esperança fortalece a crença de que outros tempos felizes chegarão.

Quando a perda foi muito recente, é natural o choro e o pesar. A tristeza pode dificultar o apetite e o prazer pela vida. No primeiro momento, enfrentamos o desespero. Não acreditamos que a pessoa amada faleceu. Depois, pode vir a revolta e a culpa. "Por que Deus fez isso comigo?" "Ah, eu poderia ter feito isso ou aquilo". Sentimentos conflitantes e difíceis. Procure, nesta fase, a companhia de amigos ou familiares. Nunca fique muito tempo sozinho(a) e descanse bastante. Esta fase mais dolorosa de luto passa. A rotina do dia a dia chega e a pessoa, aos poucos, inicia outra fase: a da adaptação. Viver sem a companhia do ser amado, do parente ou do amigo. No entanto, se a tristeza persiste e a pessoa não consegue mais trabalhar ou ter uma vida normal deve procurar ajuda médica. Pode ser o indício de uma depressão.

Evite comentar a dor e os momentos difíceis da pessoa falecida. Não fique relembrando, suas visitas ao hospital e a lembrança do parente na UTI de um hospital. Neste caso, estas lembranças podem fazer muito mal e em nada beneficiam o parente falecido. Lembre-se da pessoa amada sempre alegre, saudável e feliz.

A crença num Poder Superior ajuda bastante nesta fase de luto e pesar. Uma religião pode ser o conforto e o alívio. Oásis num deserto de desespero. Acredite que a pessoa amada está bem em outra dimensão e sofre com sua tristeza permanente.

Procure transformar sua saudade em um sentimento muito bonito: a fraternidade. Dedique-se a ouvir mais seus amigos, seus parentes, enfim aqueles que permanecem vivos. Lembre-se! A pessoa amada partiu, mas outras precisam de você e apreciam a sua companhia. Agora, se estiver muito triste, saiba receber e apreciar o apoio dos parentes e amigos.

A Saudade recheada de revolta não faz bem à saúde. Ela traz a tristeza e desânimo. Estes sentimentos não vão trazer a pessoa de volta.

Pense sem você! Nosso mundo é uma roda de altos e baixos. As pessoas vem e vão em nossas vidas. Procure usufruir bastante da companhia das pessoas amadas com alegria e generosidade. Aproveite cada minuto e cada segundo de sua vida.

Confie na sua força interior para enfrentar as adversidades. Confie em Deus! Nem sempre entendemos os acontecimentos dolorosos da vida. No entanto, fale para si mesmo, quando se sentir enfraquecido ou desalentado:

"Isso vai passar. Isso vai passar!"

A resignação e o amor são ótimos antídotos que amenizam a sensação de perda.

Quanto mais você amar a Natureza, as pessoas à sua volta, com desprendimento e generosidade, a saudade terá outro significado. O significado da perene lembrança da pessoa amada em seu coração.

Se você perdeu um amor, por causa do término de um relacionamento, a dor pode ser muito profunda. A saudade vem com muita força. No entanto, não dura para sempre. Dias melhores virão e sua capacidade de amar tem que ficar intacta para novos amores e novas amizades.

Nós somos feitos à imagem e semelhança de Deus. A nossa primeira perda começa ainda como bebês. Em nosso desenvolvimento aprendemos que a mamãe e o papai estão fora de nós. A mãe e o pai podem se afastar. Esta sensação é a primeira que representa o início de nossa individualidade.

Tentemos fortalecer nosso espírito. Associar a felicidade plena a uma pessoa pode ser perigoso. E, se ela morrer, sair de nossas vidas ou mudar de cidade? Ficaremos infelizes. Deus, Nosso Criador, nos deu esta capacidade de apreciar a vida sem tanto apego. Solte-se mais... Deixe fluir! 

Quando estiver com muita saudade, chore bastante. Permita-se esvaziar o cálice de toda dor contida. Depois, modifique seu padrão mental para um diapasão mais saudável e positivo. Pense em outras pessoas que estão com você. Focalize outras alegrias. E, se mesmo assim, continuar triste, eleve a Deus uma prece singela, pedindo conforto e alívio para seu sofrimento.

Nossos mortos, na verdade, não estão mortos. Estão vivendo em espírito, vibrando por nossa felicidade e um dia, todos nós reencontraremos as pessoas amadas. E, mesmo que você não acredite nisso, saberá de forma intuitiva de que a morte não existe. A perda é uma ilusão da matéria. Nada perdemos! Aqueles que partiram, na verdade, estão muito vivos em outra dimensão espiritual.

Pegue sua saudade e a coloque bem florida, alegre dentro do seu coração!

Lembre-se ! Nascemos para ser felizes!


Só devemos lamentar a morte dos nossos sonhos e da capacidade de acreditar na felicidade.




Dedico este texto à minha querida prima Marylene, 44 anos, falecida no dia 26 de fevereiro de 2004. Era uma linda mulher, alegre e com muita vontade de viver.


À minha querida mãezinha, um grande beijo. Há cinco anos você partiu para outra dimensão.


Ao meu ex-marido, pai dos meus filhos, partiu em 2005.

Desejo a todas as pessoas que sofrem pela perda de pessoas amadas,o consolo da esperança.


Sandra Cecília

 

Copyright © 2003-2009 Relax Mental
Sandra Cecília / Renato Augusto - Relax Mental - desde 13 de junho de 2003