Psicologia - 21/08/2003
Fobia escolar





Maria Lúcia de 7 anos ficou com medo de ir à escola porque estava sendo ameaçada por uma coleguinha.

Jessica, 10 anos , começou a voltar para casa antes do término da aula com queixas de sintomas físicos como: vômitos e mal estar.

Luisinho, 8 anos, faltou quase uma semana na escola. Queixas vagas de mal estar. Conversando com a mãe, contou que tinha receio de ser escolhido para cantar no coral da sala.

Ana, 9 anos, queixava-se de que via vultos dentro da escola.



A fobia escolar é caracterizada quando a criança falta à escola com queixas de sintomas vagos. A criança com medo de ir à escola pode também ter medo de sair de casa.

A independência de uma criança começa quando ela vai à escola. Atualmente, a criança frequenta a escolinha ou creches com tenra idade. A separação dos pais, principalmente da mãe, pode ser muito penosa para ela. Geralmente, esta mãe é orientada para que fique com a criança na escola nos primeiros dias, até que a criança se acostume com sua nova rotina. Aos poucos, a menina ou o menino se adaptam e começam a gostar do novo ambiente. Interagem com os novos coleguinhas e os professores.

O medo de ir à escola pode ser causado por vários fatores: uma professora nova e exigente, dificuldades numa determinada matéria, timidez, dificuldade de relacionamento com os coleguinhas, um colega de temperamento difícil.


Como deve agir a mãe de um filho com fobia escolar?

Conversar com ele, amenizar sua ansiedade dizendo que fará o possível para que os problemas na escola sejam solucionados. Estimular a criança a frequentar as aulas.

Comunicar à escola, a dificuldade da criança. O professor e o psicólogo escolar ajudarão a criança e os pais a enfrentar o problema.

Se ela tiver qualquer queixa vaga de sintoma físico poderá ser orientada a descansar um pouco na própria escola e ser observada. Sempre deve ser estimulada a ficar na escola. O acompanhamento dos professores e terapeuta escolar será muito importante para a criança.

A melhor solução para fobia escolar é ir diariamente à escola. Se você não exigir que a criança vá à escola diariamente, as queixas de mal estar físico vão aumentar.

Pais muito rígidos ou protetores demais podem desenvolver na criança a ansiedade de separação. Na escola, sentem saudade dos pais. Não interagem com os amiguinhos. Fazer amizade com crianças da mesma idade desenvolve a independência e pode amenizar a timidez.

Os pais de Maria Lúcia insistiam sempre para que a criança não faltasse às aulas. Com muita conversa e bate papo e a ajuda do psicóloga escolar, o problema foi resolvido em 15 dias. A colega agressiva era apenas parte do problema. Maria Lúcia era um criança muito insegura e tímida. Precisou de orientação psicológica da terapeuta escolar durante algum tempo.

Jessica foi levada ao médico pelos pais e afastada a suspeita de doença física. O mal estar era causado pela separação dos pais. A menina era filha única. Através da ludoterapia, Jessica superou o medo da perda dos pais( ansiedade de separação) e voltou a frequentar à escola.

Os pais de Luisinho comunicaram à professora os temores do menino. Aos poucos, com muita firmeza dos pais, o menino voltou às aulas. A professora estava sendo muito rigorosa nos ensaios do coral o que ocasionou parte do problema de fobia escolar na criança.

Ana precisou de tratamento psicológico durante alguns meses. Com a psicoterapia, tratou as causas profundas da sua fobia escolar: timidez, início de depressão e pais muito protetores. Os pais eram espíritas e ela também foi submetida a passes semanais numa casa espírita. As queixas de mal estar e visões desapareceram aos poucos.

Recomendações aos pais da criança com fobia escolar:

- Converse com seu filho sobre o medo de ir à escola.
- Insista para que vá à escola. Os temores enfrentados tendem a desaparecer. Insista com firmeza e não com agressividade e ameaças de castigos ou punições. O comportamento muito rígido dos pais diante da fobia escolar poderá aumentar a insegurança da criança.
- Se você insistir para que a criança vá à escola diariamente, a fobia escolar melhorará em torno de uma a duas semanas .
- Comunique à escola o problema da criança.
- Quanto mais tempo a criança ficar em casa, mas difícil será voltar à escola.

Observações importantes:

- Procure ajuda médica o quanto antes, se perceber que a causa dos sintomas pode ser mais física do que emocional.
- Não deixe que seu filho vá à escola com febre alta, dores fortes, tosses frequentes. Observe a criança e a leve ao médico no primeiro dia que ela ficar em casa.
- Procure ajuda psicológica se a fobia escolar voltar a apresentar-se depois de uma melhora.
- Quando observar na criança, além da fobia escolar, alguns distúrbios de comportamento como: depressão, desânimo, tristeza permanente, outros temores, procure ajuda profissional o quanto antes.
- Se os pais tiverem qualquer dúvida em relação à fobia escolar do seu filho, procure ajuda profissional o quanto antes e comunique imediatamente à escola.


















































Sandra Cecília

 

Copyright © 2003-2009 Relax Mental
Sandra Cecília / Renato Augusto - Relax Mental - desde 13 de junho de 2003