Relacionamento - 12/12/2004
Efeitos do abuso do álcool no relacionamento afetivo




O ser humano é rico em emoções, sentimentos e pensamentos. A interação com os outros envolve emoções: pensar, sentir e agir. De acordo com nossas atitudes e pensamentos, atraímos ondas energéticas semelhantes. Se uma pessoa age com humor instável, vociferando e agredindo a todos à sua volta com sua falta de temperança, atrairá inimizades e desafetos.

Acontece que não conseguimos ficar o tempo todo mantendo a harmonia dos pensamentos e sentimentos. As emoções desgovernadas geram atritos, confusões e sofrimentos. Procuramos, então, uma muleta psicológica para nos livrar da angústia, do estress e dos sofrimentos. Essa muleta pode ser o álcool.

Bebida alcoólica no relacionamento a dois se utilizada em excesso pode gerar muitos problemas como: brigas,acidentes, violência doméstica, entre outros.

Nossas atitudes tem que ser compatíveis com o equilíbrio e a moderação. O álcool em excesso prejudica as relações humanas e excita as emoções. Uma pessoa que tem o comportamento inibido, mas irritável, sob o efeito de altas doses de álcool pode se tornar agressiva e até violenta. Se a pessoa amada não sabe lidar com essa destemperança mantendo um comportamento firme, mas pacífico, as brigas serão homéricas. "Meu marido é trabalhador e honesto, mas nos finais de semana se excede nas caipirinhas. Fica muito chato e grita muito comigo. Tudo é motivo para discussões. Eu não consigo ficar quieta e discutimos feio."- disse uma mulher casada de 40 anos. Não adianta discutir com uma pessoa alcoolizada. Perda de tempo e equilíbrio. Nunca tome decisões sobre seu relacionamento quando um dos dois estiver sob efeito do álcool. A memória e os reflexos ficam comprometidos. 

"Não freqüento mais barzinhos ou danceterias. Meu namorado quando sai comigo bebe demais e me trata com grosseria. No entanto, quando não está sob o efeito do álcool, nosso relacionamento é muito bom."- desabafou uma mulher de 25 anos. Algumas pessoas reprimem seus verdadeiros sentimentos por causa das regras sociais e o receio de magoar a pessoa amada. Acontece que, emoções reprimidas tendem a aflorar quando despertadas. E podem romper com muita força. Uma pessoa fortemente alcoolizada geralmente é péssima companhia. Quando a pessoa amada se exceder no álcool, procure não provocá-la enfatizando defeitos. Brigar com uma pessoa embriagada é colocar lenha na fogueira, estratégia infrutífera. 

Ouvi dizer que há algumas fases relativas ao comportamento de quem utiliza bebidas alcoólicas:a do macaco, leão e do porco. A fase do macaco: a pessoa bebe e faz micagens e gracinhas. Conta piadas, dá risadas e se desinibe em locais públicos. Quando esse comportamento não prejudica as outras pessoas, geralmente o que sobra no dia seguinte é uma grande dor de cabeça , de estômago ou uma ressaca (depende da quantidade tomada). Na fase do leão, a pessoa fica irritadiça, grita com as pessoas que ama e pode até ofende-la com insultos ou palavrões.Algumas pessoas ficam muito agressivas. Na fase do porco, ela não se preocupa com a higiene pessoal. Barba por fazer, cabelo em desalinho e o hálito forte. No estágio avançado, essas pessoas chegam ao ponto de abandonar os seus lares. Não tomam banho, não comem direito e bebem o tempo todo. Na falta da bebida alcoólica, consomem álcool puro, xaropes, etc. Essa é uma fase perigosa e delicada do alcoolismo.

Todas as pessoas que gostam de um drinque ou bebem socialmente podem se tornar alcoólatras? Não, nem todas. As causas do alcoolismo nem sempre estão associadas com o hábito de beber com freqüência. No entanto, o aumento do consumo do álcool, com o tempo, pode em alguns casos, causar o alcoolismo. Ele envolve a pessoa como um todo. O bebedor social sabe que pode parar de beber a qualquer momento. O alcoólatra não tem limites. O Alcoolismo é uma doença e pode ser tratada. Não há cura para o alcoolismo. O Alcoólatra tem que se manter longe do álcool para preservar sua vida social e a saúde. O tratamento mais eficaz tem sido os Alcoólicos Anônimos, uma entidade sem fins lucrativos que ajuda os dependentes do álcool. Lema do A.A: se você quiser beber, o problema é seu. Se quiser parar de beber, o problema é nosso!"

Comemorar, tomar um drinque com a pessoa amada, apreciar um vinho, torna nossa vida mais agradável e relaxante. No entanto, se a pessoa não consegue parar de beber e sua vida social, afetiva e profissional fica prejudicada pelo álcool, o caso merece atenção. Pode ser indício de alcoolismo. Hoje em dia, sabe-se que o alcoolismo não é falta de vergonha ou malandragem. O alcoólatra é um dependente físico e emocional de bebidas alcoólicas. A bebida alcoólica é uma droga como qualquer outra. Pode viciar, causar dependência emocional, psíquica , física e até matar.

Se você sabe que tomar bebidas alcoólicas em excesso comprometem seu relacionamento, é melhor tomar providências. Evite o excesso. Conheça-se a si mesmo. Procure alternativas mais sadias para liberar seu inconsciente atolado de emoções reprimidas, ódios e insatisfação. Não faça do álcool sua válvula de escape e nem justificativa para um comportamento agressivo e desequilibrado com a pessoa amada.

Alguns homens ou mulheres misturam bebidas destiladas com as não destiladas. Aí, em certos, casos, o efeito pode ser desastroso. Outras, bebem muito em uma festa e insistem em dirigir automóvel. Além de cometerem uma imprudência, podem envolver muitas pessoas queridas num acidente que poderia ser evitado. Álcool em excesso pode também comprometer bastante a vida sexual da pessoa. 

Se você sabe que, quando toma doses de pinga e depois cerveja , fica alterado e agressivo, evite misturar bebidas quando sai com a namorada ou a esposa. Se a mulher quando bebe, também demonstra um comportamento descontrolado e constrangedor, evite o álcool. Se você está bebendo diariamente e não consegue parar, sinal de alerta! 

Não adianta pedir ao seu namorado ou marido que pare de beber! A decisão será sempre dele! Os alcoólatras sempre acham motivo para a bebida: quando estão tristes, quando estão alegres,enfim qualquer coisa é motivo para beber em excesso. Quando a pessoa se conscientiza que precisa de um tratamento médico especializado ou de A.Anônimos, o carinho e o apoio da família pode ajudar muito. 

O relacionamento a dois pode ser uma experiência muito gratificante. Como é gostoso apreciar um bom vinho ao lado da pessoa amada. Estimula os sentidos e torna o ato sexual mais prazeroso. Já pensou como é bom brindar com champagne a passagem do Ano Novo? E se você estiver acompanhado da pessoa amada champagne se torna bebida afrodisíaca. Uma cervejinha gelada na praia, no barzinho ou então num baile, melhora o ânimo e a disposição. Caipirinha com feijoada desce bem! 

Nesse mundo, podemos usufruir das coisas boas e compartilhá-las com as pessoas que amamos. No entanto, a partir do momento que agimos de forma inconseqüente ou egoísta, através dos nossos excessos, nosso comportamento só irá atrair solidão e mais solidão. Quem gosta de ficar perto de uma pessoa inconveniente ou chata? Ou mesmo de um homem agressivo e intolerante? Ou então de uma mulher, que quando bebe, envergonha seu parceiro, com escândalos e comportamentos bizarros? Se você quiser tomar um porre, não envolva as pessoas que ama. Fique quieto na sua casa, tome seu pileque e depois curta a ressaca!

Se você perder a pessoa amada por causa do abuso de bebida alcoólica, não adianta afogar a mágoa no álcool. Não adianta fugir dos problemas e da vida, na ilusão da droga. O despertar será muito pior! Em vez de resolver o problema, causará outro. Promoverá a dor e o sofrimento à sua volta.

Observações importantes: o alcoolismo é uma doença que pode ser tratada. Há vários graus de alcoolismo e vários tipos de tratamento. Em alguns tratamentos, a completa abstinência faz parte. Procure mais informações com seu médico ou através dos Alcoólicos Anônimos.


FELIZ 2008!


Sandra Cecília

 

Copyright © 2003-2009 Relax Mental
Sandra Cecília / Renato Augusto - Relax Mental - desde 13 de junho de 2003