Relacionamento - 27/12/2003
Ciúme




Helena adorava seu celular e é óbvio o celular do seu noivo Jayme. Depois de 2 anos de namoro, ficaram noivos. Jayme gostava muito dos carinhos da noiva. Seus cuidados com o ser amado eram freqüentes.

No entanto, o tempo é muito sábio. Com o passar do tempo, Jayme percebeu que os ?cuidados? e a ?proteção? da noiva estavam exagerados.

Jayme gostava do seu futebol no sábado à tarde. Era sagrado! O rapaz de 27 anos, não perdia um jogo e a oportunidade de estar com os amigos no clube. No intervalo do jogo, o celular tocava. Era a noiva:

- Oi, meu amor! Como está? Tudo bem?

- Tudo bem! Helena, estivemos juntos há duas horas. Aconteceu alguma coisa? ? perguntou ligeiramente irritado.

- Você prometeu me levar na casa da minha mãe. Está atrasado vinte minutos... Sabe... Fiquei preocupada! Onde você está?- perguntou curiosa.

- Como onde estou? Estou no clube jogando futebol. Você sabe.

Todos os finais de semana a mesma coisa. Helena e seus telefonemas. No começo, Jayme adorava a atenção da noiva. Os telefonemas mais freqüentes e a irritação do noivo também aumentou. Sentia-se controlado e dominado. E, para completar, haviam as cenas de ciúme. Se o casal estava num bar, Helena não tirava os olhos dele. Achava que ele paquerava a loira, a morena e a mulata. Jayme não sabia o motivo Helena de tanta desconfiança, porque ele não dava motivos.

Bem, o noivado foi rompido. Jayme precisava da carta de ?alforria? e de liberdade. Sentia-se sufocado pela noiva, embora a amasse muito.




Simone morria de ciúmes do marido. Bastava o homem ligar a TV para que ela começasse a ladainha.

- Marcos, vai ficar com os olhos pregados nos traseiros das dançarinas da TV?- perguntava enciumada. Marcos achava graça do ciúme descabido da espôsa. Só que a graça acabou logo, porque Simone exagerou na dose. Mordia-se de ciúme, quando via o marido espichar os olhos no corpanzil bem proporcionado de alguma loura da TV. Sentia-se traída! Não conseguia controlar os ciúmes.




Você sente ciúmes do(a) seu(sua) amado(a)? Um pouco de ciúmes pode incrementar a relação. A pessoa amada se sente mais segura. No entanto, o exagero pode gerar um desastre no relacionamento. Aí , o ciúme deixa de ser sadio para se transforma em controle ou posse.

A gente pensa que possui alguém. Quer tomar conta do seu corpo, da sua alma e do seu pensamento. Certas pessoas sentem necessidade de ter tudo sob controle. Isso alivia sua insegurança interior e talvez sua baixo estima.

Se a pessoa amada viaja, o outro liga sem parar. A imaginação fértil cria mil e uma histórias de traição. A pessoa muito ciumenta sofre muito e o sofrimento deriva do seu desequilíbrio e da sua imaginação. ?Puxa, já pensou se ele me trair? Não conseguirei suportar!" Ninguém é de ninguém e não detemos o controle de pessoas ou acontecimentos. Se a pessoa quiser trair, certamente o fará independente do ciúme ou controle da pessoa amada.

Às vezes, o ciúme piora as coisas em vez de melhorar. Quem já foi traído(a) muitas vezes, fica com a ?pulga atrás da orelha? e receia que tudo aconteça de novo. O importante é buscar as causas deste relacionamento instável.

Um relacionamento saudável se baseia na confiança mútua. A confiança vem da convivência e do respeito que se tem pela pessoa amada. Você precisa ter sua vida própria, seus afazeres e pensamentos próprios. Quanto mais você se anular para agradar o outro, mais vai cobrar desta pessoa. Esta cobrança doentia gera ciúme doentio.

Se a pessoa amada não merece sua confiança, pense bem. Ligar de madrugada, chegar de surpresa não resolve os problemas do seu relacionamento.

Outra coisa, a diferença acentuada na idade pode gerar muito ciúme, mas isso depende de como o casal convive. Se há confiança, amor e um não invade o espaço do outro, o amor convive bem com a diferença de idade.

Mulheres que têm relacionamento com homens bem mais jovens podem sentir muito ciúme ou insegurança: ?Nossa, quando eu tiver 50 anos... ele terá apenas 35, por exemplo.? Se você estiver cheia de grilos e insegurança, pense bem antes de iniciar um relacionamento com alguém de faixa etária muito diferente da sua. Trabalhe bem sua auto estima para encarar com otimismo e adaptação o relacionamento. O preconceito ainda existe quando a mulher é bem mais velha do que o homem. No entanto, isso já está mudando. Idade nem sempre significa maturidade. Pense nisso!

E, nem sempre, o ciúme significa amor! ?Nossa, ele morre de ciúmes de mim.., é apaixonado. Não posso nem sair de casa sem ele!?.Pode ser apenas uma manifestação de controle e posse. O amor verdadeiro é tranqüilo, maleável e flexível.

Um relacionamento bom tem que estar bom para ambas as partes. Certos casais convivem bem sem exigir a fidelidade do parceiro(a). No entanto, a maioria dos casais gosta de saber que o outro é fiel, companheiro e se preocupa com ele. Quando a pessoa não demonstra nenhum ciúme, o outro pode se sentir inseguro. Nem sempre não sentir ciúmes, significa falta de amor. O ciúme na dose certa significa cuidados e atenção com o ser amado.

Se você está vivendo um relacionamento repleto de ciúmes, está na hora de analisar tudo. Por que está se sentindo assim? Aconteceu algo que perturbou o relacionamento? ?Coleira? escraviza e não segura a pessoa amada.

O ciúme tem muita relação com o medo , perda e abandono. Em algum momento, você foi abandonado(a)? Sentiu-se rejeitado(a)? O ciúme excessivo, o desejo de posse pode ter suas raízes profundas na infância e no relacionamento com os pais. Pessoas muito inseguras desejam controlar amigos, namorados, enfim, querem ter tudo sobre controle. Aí isso é uma compulsão e precisa ser tratada.

Na vida, o segredo é o ? caminho do meio?. Equilíbrio nas emoções, sentimentos e nos seus relacionamentos. Ter uma atitude positiva em relação ao relacionamento ajuda bastante. Saber equilibrar sua imaginação porque ela é a fonte de todos os problemas. Tudo começa no pensamento.

Carolina foi vítima de sua própria imaginação. O namorado ficou dois dias sem telefonar. Ele morava há 150 km de sua cidade e costumava ligar todos os dias. Ela ficou nervosa e o ciúme começou a pipocar em suas entranhas. ?Pronto, o Carlinhos, saiu por aí com alguma sirigaita. ? Começou a imaginar até uma cena super picante. Carlinhos e sua colega de escritório numa cena de amor. Quase em pânico, Carolina, ligou para o celular dele. Estava desligado e caiu na caixa postal. Pronto. Ficou a noite inteira sem dormir.

Na manhã seguinte, recebeu um telefonema aflito da mãe do Carlinhos. Ele havia se acidentado com a motocicleta e estava no hospital. O celular dele se perdera porque havia caído na calçada. Carlinhos quebrara a clavícula, mas estava bem. Carolina aprendeu a lição.

Então, minha(meu) amiga(o), conheça seus sentimentos mais íntimos. O ciúme possessivo afasta você da pessoa amada.

E, se a pessoa amada vive dando motivos para que você se morda de ciúme, saia dessa! Para tudo há uma solução! Certos relacionamentos só fazem mal e a saída é o rompimento. Outros merecem diálogo, conversa, paciência e uma boa dose de tolerância.

Então, como vai o seu ciúme? E se a pessoa amada não sente nenhum ciúme, observe o relacionamento. Ele está sempre presente em sua vida? Companheiro, carinhoso e amigo? Então, não há motivos para se preocupar. Viva a vida!


Sandra Cecília

 

Copyright © 2003-2009 Relax Mental
Sandra Cecília / Renato Augusto - Relax Mental - desde 13 de junho de 2003