Relacionamento - 05/12/2003
Dor de cotovelo!




Sofrimento difícil de ser explicado ou compreendido. Alguns saem dela rapidamente e se preparam para um novo relacionamento amoroso. Outros não! O sofrimento se prolonga quando se ouve a música predileta da pessoa amada, se relembra o perfume ou relê os e-mails .Saudade torturante e solitária. No amor correspondido, há um misto de prazer e alegria na saudade. Você conta os dias e as horas para estar perto do seu amor. Na dor de cotovelo, a saudade só acrescenta sofrimento à sua vida. A dor do amor impossível é uma pedra no seu caminho. Não se aceita a perda da pessoa amada. A falta de aceitação gera muito sofrimento. Alguém pode dizer: "Ah, nós éramos tão felizes! Não me conformo!" Se você não pode reverter a situação, insistir nesta lembrança é perda de tempo!

A dor de cotovelo não escolhe idade, estado civil ou status. Arremessa a sua flecha fulminante no coração do(a) infeliz. Prefere os amores platônicos, os impossíveis e os sofridos. A dor de cotovelo se satisfaz com migalhas de sentimento. ?Ele não me telefonou, mas recebi um cartão virtual. Quem sabe!?- você pensa num ensaio de tímida esperança. ?Ela rompeu o namoro, mas, de vez em quando, telefona!? ? Ele desligou o celular, não atende meus telefonemas, mas gosto dele assim mesmo.?

A impossibilidade do amor correspondido alimenta a dor de cotovelo. A idéia de tentar recomeçar a vida provoca desânimo. Para que? Você alimenta a dor de cotovelo na esperança de que, um dia, você seja correspondido! Nessa fase, a pessoa amada só tem mistérios e qualidades.

Foi descoberta a cura para a dor de cotovelo! Há vida após a dor de cotovelo. A ação do tempo suaviza as dores. O ser humano tem uma capacidade admirável de se recuperar de traumas e amores sofridos. Ele procura a felicidade! Procura as delícias de um amor correspondido. A dor de cotovelo desaparece através da reflexão e do autoconhecimento. Ela se alimenta de ilusão e você precisa da realidade para viver. Sofra o que tem de sofrer, esgote o seu cálice, mas não deixe a dor de cotovelo abalar a sua auto estima a ponto precipitá-lo no abismo da depressão.

O tempo passa independente da sua dor e sofrimento. Energia voltada para um amor não correspondido é energia desperdiçada em sua vida. A vida passa incólume junto com sua dor, amores, momentos felizes e tristes. A cura da dor de cotovelo está em seus pensamentos e na volta da auto-estima. No sopro revigorador da Esperança! Você merece ser feliz! Algumas pessoas se agarram aos amores impossíveis, porque é melhor viver com o ruim do que enfrentar o desconhecido. Isso é ilusão!

Por que sofrer tanto? Ele(a) merece tanta dor? Aos poucos, limpe sua alma da contaminação do sofrimento. Livre-se de toda a lembrança externa do amor dolorido: as fotos, os cds, os e-mails. Liberte-se do passado. A dor não vai embora de uma hora para a outra, mas confie no próprio restabelecimento.

Procure o apoio da família e dos amigos. Mantenha-se ocupado e procure atividades prazerosas. Passará por recaídas, lágrimas e noites mal dormidas. Alguém me disse um dia: "Dói muito a dor de cotovelo. Sinto a falta física do meu namorado. A falta dos seus beijos e abraços." Deixe o sofrimento se esvair nas lágrimas, mas depois, tome um banho morno e se recomponha. Os sofrimentos não duram para sempre! Você está com sua capacidade de amar intacta! Pense nisso! Pense nas inúmeras qualidades que você possui! E o quanto poderá fazer alguém feliz! Neste momento ,vale a pena relembrar somente os defeitos do seu ex-amor. Isso ajuda na cura e o liberta da ilusão.

Agora, se ainda há esperança de reconciliação esqueça o orgulho. Abra o coração ao diálogo. Quem sabe! Quem sabe, seu amor espera por uma nova chance! .

No entanto, se você sofre e não é correspondido, a dor de cotovelo um dia vai embora. Pare de alimentá-la e se fortaleça! Quando estiver pronto(a) abra o coração para um novo amor! Confie um pouco mais em você e na vida!

DELETE a dor de cotovelo! Seja feliz!


Sandra Cecília

 

Copyright © 2003-2009 Relax Mental
Sandra Cecília / Renato Augusto - Relax Mental - desde 13 de junho de 2003