Relacionamento - 10/07/2003
Será que ele vai telefonar?




Ana estava nervosa. Passou a tarde inteira de olho no telefone. Ele não tocou. Quatro dias atrás, havia conhecido um rapaz, seu amigo virtual. Do bate papo no chat aos telefonemas foi instantâneo. Ela gostou da voz dele e ele da sua. Ligava quase diariamente para ela. Marcaram um encontro real no shopping da cidade. Ana ficou deslumbrada! Ele era tudo que ela desejava num homem: bonitão, simpático e muito educado.

No terceiro encontro, fizeram amor num quarto de motel! Foi maravilhoso! Agora, Ana esperava pelo telefonema dele há quatro dias. "Será que ele vai ligar? Será que vai desaparecer? Não devia ter dormido com ele Devo ligar?"- pensava aflita.

O rapaz desapareceu da sua vida. Ana sentiu-se usada. "Ele só queria dormir comigo."- pensou, cheia de mágoa.




Fernanda conheceu Guilherme na cidade do Rio de Janeiro. Estava caminhando no calçadão da praia, quando viu aquele homem simpático. Ela estava com 49 anos e não esperava mais encontrar um homem interessante. Sentia-se solitária, às vezes, mas procurava passear ou viajar. Compensava a falta de um namorado com a companhia das amigas e de bons livros. Depois de algumas decepções, a ansiedade passara.

Começou o flerte com Guilherme. Aparentava pouco mais de 50 anos. Fernanda cochichou algo no ouvido da amiga: "Ele está olhando para mim, Luísa. O que eu faço?"

- Olhe também, sua boba!- aconselhou a amiga.

- Ele é um estranho........- comentou, receosa.

- Não estou dizendo para você se casar com ele agora, mas para flertar com o bonitão.- as duas cairam na gargalhada.

Depois de alguns minutos, o homem se aproximou de Fernanda com um sorriso amistoso. Ela estava desconfiada. Não se pode confiar em estranhos! Fernanda era de Jundiaí e estava hospedada na casa de uma parente. O bonitão se chamava Guilherme e era viúvo. Depois de um bate papo gostoso, trocaram telefones.

Fernanda esticou seu passeio no Rio. Estava nas nuvens! Guilherme a levou em restaurantes, passeios e até no Corcovado. "Este homem não existe, Selma!- comentou Fernanda. - Não me convidou para ir para à cama. Quero que você me belisque para ver se estou sonhando ou não.- disse,alegremente.

"Ih, saíram a semana toda e só trocaram alguns beijos de língua? Ih, será que ele não gosta de mulher?- Selma fêz uma careta.

"Ué, o homem não pode ser educado ? A maioria deles só pensa em cama, Selma!

"Bem, sei lá, Nanda.. Ou ele é muito educado ou é bicha, ou não sentiu tesão em você.

"E você , uma amiga da onça!" - retrucou Fernanda contrariada.

Fernanda voltou para sua casa em Jundiaí. Os dias se arrastaram e o telefone mudo. Guilherme não telefonou. Fernanda perguntou a opinião da sua terapeuta:

"Sonia, to morrendo de vontade de ligar! Não aguento! Por que a iniciativa tem que ser apenas dos homens?

"Qual o motivo de tanta ansiedade? Aguarde mais uns dias.- ponderou a psicoterapeuta.

"Esperar mais um pouco? Vou enlouquecer! - respondeu.- Eu não aguento mais esta espera. Fico pensando... Ele não vai ligar, porque não dormiu comigo. Será que não sentiu nada por mim?

"Você é quem está dizendo isso. Não tire conclusões precipitadas. Espere mais alguns dias.- afirmou a terapeuta.

Fernanda não conseguiu conciliar o sono naquela noite. Decidiu! Ligou para o Rio de Janeiro. Estava nervosa e seu coração disparado. Ele atendeu:

- Alô! Com que falo?

- Sou eu a Nanda, Guilherme. A Nanda... de Jundiaí.- a voz estava trêmula.

- Fernanda? Ah, sim! Como vai, querida?- perguntou o homem com voz gentil.

- Liguei para saber como você está. Você disse que ia ligar,mas não ligou. Não sentiu saudades, Guilherme?

Uma pausa.

- Fernanda, estou cheio de problemas... não é nada com você. Estou sem cabeça para pensar ... me desculpe... Eu estava pensando em ligar para você na semana que vem._respondeu desconcertado.

O romance dos dois teve um desfecho feliz. Após alguns meses, Guilherme e Fernanda iniciaram um relacionamento. Hoje, dois anos depois, pensam em se casar.




E agora? O que fazer com a tensão gerada por uma espera? O telefone se transforma num importante personagem. A espera do telefonema do homem amado.

Você não sabe se deve ligar ou não. Qual será a reação dele? Será que vai achar que você é oferecida?

E se o casal brigar no final de semana? Quem deve ligar primeiro na segunda-feira?

O relacionamento afetivo entre duas pessoas é muito gratificante. Em cada relacionamento, trazemos nossas histórias de perdas, decepções e rompimentos. Projetamos em nosso amor, a carga de sentimentos negativos de insegurança e medo. Sim, o medo. Medo da perda e do abandono. Medo do nosso desempenho sexual ou afetivo não ter sido bom. Será que impressionamos o outro? E......também, vem por aí, um pouco da dose machista de encarar os relacionamentos. O homem deve tomar a iniciativa de telefonar? Será? E vem por aí, o orgulho. Se eu telefonar, ficarei mais exposta e desconfortável. Ele vai achar que estou apaixonada.....e vai se aproveitar. Medo do sofrimento. Com todo este histórico de sentimentos negativos, perdemos uma boa oportunidade de aproximação, reconciliação e diálogo. O homem não telefona, porque teme compromisso. No início do relacionamento, há um certo receio de se envolver. Talvez por causa de relacionamentos frustrantes no passado ou mesmo uma visão machista.




Ana é uma mulher jovem e insegura. Será que estava preparada para ter um envolvimento mais sério com o namorado virtual? Fazer amor com um homem é muito sério para a maioria das mulheres. Como diz o famoso terapeuta americano John Gray : os homens precisam fazer sexo para se apaixonar e as mulheres precisam amar para fazer sexo. O homem tem uma certa facilidade de separar sexo de amor. Podem fazer amor com uma mulher sem estar apaixonado por ela. A mulher se compromete mais afetivamente. Hoje em dia, com a independência profissional e financeira da mulher, muita coisa mudou. A mulher está mais objetiva e independente na vida amorosa.

A jovem Ana fêz amor com o namorado virtual. No entanto, fazer amor é algo muito sério. Aprendeu com os pais que, a mulher só deve se entregar sexualmente, quando estiver segura de que o amor seja recíproco. Ela se apaixonou pelo rapaz. No entanto, ele é outro universo, o universo masculino. Pode ter outra forma de encarar o amor e o sexo. Não podemos controlar os acontecimentos e as pessoas. E, nem sempre elas reagem da forma que imaginamos. O ser humano, às vezes, é uma caixa de surprêsas.

O romance de Fernanda teve um desfecho feliz. Guilherme não demonstrou seu contentamento quando Fernanda ligou. Ficou um pouco assustado. Pensou:

"Pronto! Será que ela vai grudar em mim? Já me ligou cobrando o telefonema."

O problema não é o telefonema em si, mas as expectativas que temos em relação aos relacionamentos. Quanto maior a expectativa, maior será a decepção. Mantenha-se otimista nos primeiros encontros, mas esteja preparada se não der certo. É preciso muita auto-estima. Se você ainda tem dúvidas sobre o caráter do rapaz ou suas intenções, espere mais um pouco antes de ter um relacionamento sexual. Procure conhece-lo melhor. Mesmo assim, nunca poderemos afirmar com certeza se conhecemos ou não alguém. Tenha consciência dos seus limites, dos sonhos e das expectativas que têm em relação aos homens e ao amor. A partir daí, estará segura o bastante para tomar iniciativas ou esperar pela iniciativa masculina.

A vida é sua! Faça o que tem vontade de fazer , mas mantenha o equilíbrio e o bom senso. Telefonemas insistentes e cobranças afugentam qualquer pretendente a namorado ou marido. Pessoas muito dependentes tendem a fazer do homem amado sua tábua de salvação.

Os homens também não são uma fortaleza de segurança. Muitas vezes, um homem indiferente ou fechado demais esconde um drama. Experiências sofridas no amor. Eles também sentem medo de sofrer.

Quando houver uma briga entre você e o ser amado, não tenha receio de tomar a iniciativa. Se acha que deve ligar para ele e tentar uma reconciliação ligue. Saiba o momento certo. Seu homem, de vez em quando, pode sentir necessidade de ficar sozinho ou pensar sobre a relação.

Use a força da intuição feminina, seu amor e a auto-confiança. Se ele não ligar, tenha fé em si mesma. Você saberá exatamente o momento de fazer uma ligação muito importante para você e sua vida amorosa. Ou então, esperará tranquilamente pelo telefonema do seu amor, que certamente virá. E, se ele desaparecer de repente....... após alguns encontros, risque seu telefone da agenda e parta para outra. Outros amores virão!

Claro, nem sempre acertamos, mas o importante é amar intensamente e não ter medo de ser feliz!

Observação: os nomes mencionados são fictícios.


Sandra Cecília

 

Copyright © 2003-2009 Relax Mental
Sandra Cecília / Renato Augusto - Relax Mental - desde 13 de junho de 2003