Relacionamento - 08/07/2006
Amor Platonico






Segundo a psicanalista Heidi Tabacof , o amor platônico revela uma dose de imaturidade emocional à medida que nunca experimenta as frustrações de uma relação concreta.

Platão, filósofo grego, acreditava na existência de dois mundos: o das idéias e o finito, mundo material. No mundo das idéias, tudo seria perfeito e eterno.

E, por este motivo, o amor platônico representa aquele que só vive no mundo das idéias. Quem já não viveu um amor platônico durante uma época da sua vida? São amores solitários vividos apenas no mundo da imaginação. Raramente, sobrevivem ao convívio real que caracteriza um verdadeiro relacionamento. O amor platônico pode ajudar no amadurecimento afetivo. Ele nos ensina a fazer uma descoberta interior. Por que amar platonicamente? Pode ser o receio de um relacionamento real e concreto. O relacionamento amoroso real não vive só de ilusão. As pessoas de carne e osso têm defeitos e qualidades. O dia a dia pode ser recheado de obstáculos e diferenças de opinião. E nem sempre é fácil e harmonioso este convívio. Alguém afirma: "A pessoa certa vai aparecer. Ainda encontrarei a alma gêmea." Fica-se à espera de um ser maravilhoso que vai corresponder a todas as expectativas. Esta pessoa amada denominada alma gêmea será a compreensão, a paixão e a felicidade eterna. As almas gêmeas existem, mas só podemos comprovar que temos afinidades espirituais com alguém se convivermos com esta pessoa. Mesmo que tenha havido um contato em uma vida anterior, nesta vida atual, o convívio é necessário. Às vezes, a pessoa amada pode ter sido alguém importante em vidas passadas. E, por este motivo, aquela sensação forte de paixão e envolvimento. Ex: "Quando vi aquele homem a primeira vez no escritório, tive uma impressão que já o conhecia. Tentei me aproximar dele várias vezes. Fiquei apaixonada durante três anos e só recebi amizade e ternura". Na vida atual, os dois têm missão diferente. Isso não quer dizer que não houve envolvimento passado, mas não significa necessariamente que haverá romance.

O Amor platônico vive alimentado pela espera eterna. Ele é regado por gestos pequenos e migalhas de amor. Um sorriso, um telefonema , um e-mail ou cartão virtual. No entanto, falta a realidade. O relacionamento não evolui. Os anos passam e você vive esperando que a pessoa se declare. A história de amor só acontece em sua imaginação. Na sua mente, as fantasias eróticas criam vida. Você imagina quadros maravilhosos. O beijo, o encontro , o compromisso selado. A realidade é totalmente diferente do seu sonho. A pessoa amada nada faz para se aproximar ou conviver com você.

Amores platônicos mais comuns:
aluno pela professora ou vice-versa.

ídolo pelo artista.

alguns amores virtuais. Podem durar anos e não haver sexo ou nenhum contato físico a não ser e-mails.

colegas de escola na faixa da adolescência.
Esse amor visa a idealização do ser amado. A pessoa vê na pessoa amada o que ela deseja. No convívio real, pode ocorrer a frustração porque a pessoa não corresponde à idealização. E, nem sempre, significa imaturidade emocional, mas pode ser um preparo para um sentimento mais forte. Os amores platônicos são lições de amor.
Como fazer para esquecer um amor platônico? Choque com a realidade. Quando você fica anos à espera de um ser imaginário perde muito . Na verdade, está fugindo de um amor verdadeiro que pode até não ser tão bom assim, mas é real. A realidade choca. Um caso de amor pode fazer sofrer, chorar. Pode levar à decepção, mas é real. As pessoas reais sofrem por amor. No entanto, sempre valerá a pena. Faça uma auto-reflexão. Há quanto tempo você espera pela declaração da pessoa amada? Não acha que é tempo demais? Está perdendo tempo. Caia na real e faça um trabalho minucioso consigo mesmo. O que está querendo evitar quando valoriza demais alguém que não presta atenção em você? Tem receio de sofrer? Não acredita que possa merecer um amor de verdade?
Não tente forçar a barra. Uma mulher de 40 anos disse: "Quanto mais evito pensar no Fulano, mais a imagem dele vem à minha cabeça." Pense no seu amor platônico quantas vezes quiser. Deixe que a imagem falsa desse amor saia aos poucos. Trabalhe seu dia a dia. Conviva mais com os amigos e as pessoas reais da sua vida. Entregue mais seu coração. Experimente doar amor sem nada esperar em troca. Prepare-se para o amor de verdade. Todos os amores irreais e verdadeiros têm uma lição. São lições preciosas que nos ensinam algo sobre nossa própria essência. Nossa essência espiritual procura febrilmente alguém que seja parecido com a gente. Temos anseio pela felicidade integral e absoluta, mas temos que merecer. Amor correspondido também é merecimento.
 Aos poucos, a pessoa idealizada terá seu valor real. No momento próprio, estará pronto para viver um grande amor real e concreto!

Clique no link abaixo e faça uma técnica de visualização para tentar esquecer o amor platonico:

Vivência para esquecer amor platonico

Magia para esquecer um amor platônico: coloque uma rosa vermelha numa jarra d água e acenda uma vela cor de rosa para os anjos durante uma semana. Durante 7 dias você vai pensar nesta pessoa o quanto quiser. Converse com seu anjo pessoal sobre seu amor impossível. Se esse amor não tiver mesmo esperança ou futuro que você o esqueça completamente. No sétimo dia, jogue as pétalas da rosa na água corrente ou no lixo. Arrume uma rosa branca e coloque na água. Durante três dias, peça aos anjos a abertura dos seus caminhos para um verdadeiro amor. Faça um banho com a infusão das pétalas na água fervente. Espere amornar e jogue do pescoço para baixo. Coloque na água da infusão algumas gotas de alfazema. Em pouco tempo, se sentirá mais leve e liberto. Se você for homem e não gostar de magia, faça o seguinte. Pegue um retrato dessa pessoa e vá na beira de um rio. Jogue a foto na água e faça uma prece pedindo a Oxum que o liberte desse amor sem futuro. Boa sorte!
Magnólia Francisca

Bibliografia: observações da psicanalista Heidi Tabacof tiradas da edição 116 da revista Marie Claire.


Sandra Cecília

 

Copyright © 2003-2009 Relax Mental
Sandra Cecília / Renato Augusto - Relax Mental - desde 13 de junho de 2003