Psicologia - 29/07/2006
Insatisfação íntima , momento de repensar a vida!





Alguns períodos de nossa vida podem ser marcados por certa frustração ou insatisfação. Você sabe que está faltando alguma coisa , mas não sabe exatamente o que é. Se está se relacionando afetivamente com alguém, poderá achar que o relacionamento não o satisfaz mais.

Geralmente, algumas faixas etárias trazem profundas modificações mentais, físicas e até emocionais como: adolescência, maturidade, terceira idade. São ciclos que se fecham trazendo dúvidas e inquietação. O que fazer quando sentir esta sensação? Ignorá-la? Fazer de conta que está tudo bem? Responsabilizar pessoas e situações pela sua tristeza? Não! O ideal é prestar atenção nos seus sentimentos, deixá-los fluir para depois transformar, avaliar, resolver a dúvida.

Nossa essência espiritual tem um sinalizador fortíssimo. Quando estamos trilhando um caminho que não é o nosso, o desconforto vem. Sinaliza mudança. Transformação e principalmente renovação. E,nem sempre essa sensação desconfortável é um mau sinal. Quando estamos desconfortáveis, tristes ou entediados, nossa essência busca a mudança. Estamos no ponto! Prontos para a renovação.

Faixas etárias importantes :
adolescência: gera questionamentos, insegurança e conflitos.

a partir dos 18 , 20 anos: dúvidas e escolhas relacionadas a carreira e os estudos podem gerar ansiedade e até angústia. Testes vocacionais e o diálogo familiar podem ajudar o aprimoramento.

30 a 40 anos: geralmente, a pessoa está realizada afetivamente , mas mesmo assim, podem surgir dúvidas e questionamentos afetivos e profissionais. Desejo de mudar de emprego, insatisfação no trabalho e até no casamento. São mudanças internas que podem provocar conflitos. Não é ruim, tudo caminha para a evolução.

40 a 50 anos: se a pessoa está se separando surgem outros questionamentos. Se é homem tem que aprender a conviver diariamente sem a presença dos filhos. Isso pode gerar até depressão. Atualmente, com a guarda compartilhada, o homem passa por essa fase de forma mais natural. Desejo de ter um hobby e vontade de aproveitar mais a vida poderão suscitar dúvidas afetivas se o relacionamento amoroso está desgastado ou muito morno.

50 a 60 anos: medo de envelhecer e mais cuidados com a saúde. Menopausa. Andropausa. São desconfortos físicos, mas não significam doença ou limitações. Ao mesmo tempo, a pessoa está realizada profissionalmente ou aposentada. Momento de colher os frutos, usufruir, se divertir. Depende de como você vê essa fase que poderá ser enriquecedora.

a partir dos 60 anos: a medicina está evoluindo dando ao homem mais tempo e qualidade de vida. Surgem os grupos de terceira idade. Os idosos estão mais jovens, mais participativos. Muitos ainda trabalham e sustentam o lar. Viajam muito e se apaixonam. Alguns estão numa fase interessante: são avós , bisavós, mas podem se tornar pais novamente.

Sua insatisfação íntima não deve ser ignorada. Atualmente, as pessoas estão se voltando para o campo religioso ou filosófico para entender suas dúvidas mais íntimas. Medo da morte, medo de doenças ou da violência, suscitam insegurança e geram até fobias e depressão. Não há saída; temos que aprender a conviver com o mundo atual. Não focar somente o que é ruim, mas se voltar para o que ainda é bom.

Nossos defeitos impedem a sensação plena de harmonia, serenidade e bem estar. Por que? Porque prejudicam nossa vida, dificultam a convivência com as pessoas. Um entrave à felicidade. Na medida que vamos evoluindo, aprendemos mais com nossos erros e assim vamos caminhando com mais plenitude.

A fé determinada e raciocinada num Poder Superior ameniza o medo da morte, da doença e da invalidez. Se você acreditar na sobrevivência do espírito, a questão morte não será um bicho de sete cabeças. Seja qual for a religião escolhida, o caminho da religiosidade pode trazer paz e alívio. Resposta para os sofrimentos.

Nas grandes cidades, com a violência, as pessoas se tornam mais desconfiadas e medrosas.Mecanismo de defesa para encobrir o medo e o pânico. Surge a solidão. A solidão pode deprimir, assustar e até levar ao suicídio. Não se isole , quando estiver numa fase mais delicada da sua vida. Procure a companhia de pessoas otimistas e solidárias. Se você procura no mundo e nas pessoas, a fortaleza e a segurança, sua vida será um caos. Tudo é muito oscilante. A segurança tem que vir de dentro para fora. Como conseguir segurança num mundo materialista e violento? Convivendo com suas fraquezas e limitações de forma positiva. Auto-conhecimento e , principalmente maturidade psiquíca.
Se você não tem preparo e maturidade, fatalmente sucumbirá aos problemas. O preparo está marcado no seu espírito e na auto-confiança. A cultura ambiental e a educação familiar pode ser o pilar de sustentação mas não é tudo. As provações e sofrimentos dão um brilho na alma e deixam as pessoas mais fortes.

Jovens que tem muitas facilidades financeiras podem se corromper mais facilmente. Não dão valor ao que tem, isso é perigoso.

Alguns jovens crescem num meio familiar corrompido e difícil, mas conseguem vencer, estudar e são um exemplo de vida e coragem.

Outros encontram facilidades e riquezas, mas enveredam pela senda do crime.

Falta de lastro espiritual. Valores espirituais.
Se você não tem valores espirituais, caráter, será sempre um joguete da vida. Será sempre vazio e insatisfeito.

Tudo depende da evolução da pessoa. Algumas se tornam amargas depois de uma fase mais difícil.

Outras perdem a família toda, sofrem acidentes, tragédias pessoais e conseguem sobreviver renovando a vida.


O trabalho filantrópico é uma boa terapia para a alma. Aliviando o sofrimento alheio, amenizamos o nosso.

Separações, viuvez , são lições renovadoras que nos fazem parar para pensar acerca do nosso modo de conviver com as pessoas.

Algumas pessoas saem do nosso convívio, outras entram repentinamente. É o ciclo da vida atraindo pessoas que nos ajudam no caminho da evolução. Lembre-se: tudo tem uma razão de ser e nada é por acaso.

A sabedoria não é saber viver, mas saber conviver. Em todos os momentos, nosso espírito é testado no sentido de exercitar a paciência e a tolerância. Ser mais assertivo também gera satisfação íntima.

Atualmente as pessoas confundem êxito financeiro, profissional com felicidade. E nem sempre quem está satisfeito profissionalmente está feliz. Pessoas aparentemente sofridas e cheias de limitação parecem conviver melhor e lidam de forma positiva com as frustrações.

A felicidade ainda é possível desde que você saiba também conviver consigo mesmo. Olhar para seu interior em vez de olhar para as aparências, pode aliviar suas frustrações.

A vida é um ciclo. Nossas emoções oscilam e, por esse motivo, não somos os mesmos durante todo o tempo. A partir do momento que aprendemos a direcionar melhor nossas emoções, a serenidade aparece. Ela pode ser um doce remédio para as fases mais difíceis.

Se você acha que vive mais insatisfeito do que feliz, não tem prazer em nenhuma atividade e vive a vida como se arrastasse um caminhão, procure ajuda profissional. Uma depressão pode se disfarçar em sintomas difusos de insatisfação, dores que "andam pelo corpo" e profundo tédio.

Aprenda a conviver com os outros, sabendo primeiramente a conviver com você mesmo.

Algumas alternativas para os períodos de insatisfação íntima:

psicoterapia breve: ajuda muito e tem um tempo determinado. Atualmente, há serviços gratuitos e eficientes.

grupos de apoio: neuróticos anônimos, alcoólicos anônimos e uma série de grupos solidários. Ajudam bastante seu auto-aprimoramento e também são gratuitos.

atividade física: está comprovado cientificamente que a atividade física regular ajuda no combate à depressão, doenças crônicas e preserva a saúde mental e emocional.

dança: ajuda a manter a saúde física, mental. Une mais os casais, atrai o bom humor. Boa para todas as idades.

Religiosidade: ter uma religião não é o mesmo que ter religiosidade. Ter religiosidade é o esforço no sentido de um comportamento mais generoso. Algumas pessoas apenas vão aos templos e igrejas por mera formalidade. Isso não ajuda!
Diálogo com a família: esforce-se no sentido de unir sua família. Um vínculo familiar sólido ajuda bastante nas crises. A família atual não é perfeita, mas o amor da família faz milagres para a alma.

cinema: assistir bons filmes, ajuda no sentido de projetar sentimentos e é uma catarse. Se estiver muito aflito ou triste, prefira comédias e filmes leves. Mente poluída atrai ansiedade.

Saiba cativar as pessoas: o bom humor ajuda em qualquer situação. A proximidade dos amigos ajuda na convalescença de um problema de saúde, no desemprego, nas separações e na perda de pessoas amadas.

Aceite-se como você é: não viva apenas para corresponder à expectativa dos pais, amigos, professores. Não viva apenas para satisfazer os outros. Seja sincero consigo mesmo.

Não cultive a preguiça: perigosa para momentos de crise. "Mente ociosa, oficina de Satanás."- dizem os antigos. Aprenda um ofício, volte a estudar, mas faça alguma coisa. Sentir-se útil é saúde mental.

Não se preocupe demais: evite a tensão exagerada. Certos problemas desaparecem subitamente. A preocupação excessiva gera estress e estress excessivo gera doença.
Aprenda a rir de si mesmo nas fases mais caóticas da sua vida. Deixe fluir, solte-se.
Apêgo exagerado ao passado. Viva no momento presente!

Cuidado com válvulas de escape muito perigosas para sua saúde mental e física: álcool em excesso, uso de drogas e comprimidos para dormir. Não fuja do seu problema usando tranquilizantes sem acompanhamento médico.

Algumas se sentem infelizes justamente por não terem problema nenhum. Tem tudo: conforto, amor, diversão, saúde, amigos, facilidades. É o momento de parar para pensar e não agir com egoísmo. O egoísmo é uma lente de aumento para tudo o que é ruim. Agrava as doenças, transforma a pessoa numa ilha isolada.

Tudo passa !

Seja feliz!


Sandra Cecília

 

Copyright © 2003-2009 Relax Mental
Sandra Cecília / Renato Augusto - Relax Mental - desde 13 de junho de 2003