Cantinho da Leitura - 12/09/2006
Crônica- Romantismo





O romantismo faz bem à saúde do corpo, da mente e da alma. Não falo da pessoa que "é desprovida de senso prático" aquela se deixa conduzir pela imaginação, mas da pessoa que faz do romantismo um toque especial na sua rotina diária.

Uma pessoa romântica tem que ser otimista. Romantismo sem alegria deixa o homem atraído pela dor de cotovelo eterna e pelas músicas tristes. Em todas as paisagens, cenas da vida, só se deixa tocar pelo bucólico e pela nostalgia. Há um certo prazer no sofrimento desse romântico. Alguns poetas e escritores têm mais inspiração quando estão mais românticos e tristes. Essa tristeza excita a imaginação e produz obras maravilhosas.

Ressalto o Romantismo que nos deixa mais sensíveis aos detalhes bons da vida. Essas pessoas românticas fazem dos momentos banais, grandes ocasiões. Em vez de ansiar por algo que não podem ter, trabalham a imaginação na fantasia criativa. Assim, um piquenique com a namorada no Parque Municipal da cidade é uma ocasião memorável. A flor roubada da varanda da vizinha se transforma na mais linda lembrança de uma jovem apaixonada. O bombom Sonho de Valsa é um petisco romântico. Dá até para sentir o aroma! Sentiu?

Homens e mulheres têm que ser mais românticos. A vida tem mais sabor, mesmo que você tenha uma vida insossa. Não mergulhe no tédio e no negativismo, escolha o Romantismo!

Ele precisa ter um leve sabor de realidade para que você seja um homem completo. As mulheres adoram homens românticos. Uma declaração cheia de rimas, a serenata, a composição inspirada num dia de chuva, a visita inesperada, o bilhete carinhoso.

As mulheres, senhoras da Vida, são mais românticas. Que pena! Alguns homens não dão valor às mulheres românticas. Estão perdendo o melhor da vida.

Sem Romantismo, a vida é como se fosse um uma lápide fria e cinzenta. Só existe a realidade. Não se pode colorir o desenho. Ele é branco e preto! Não tem as cores mágicas que excitam o olhar!

Como fazer para ser romântico com a pessoa amada? Comece aos pouquinhos, agregando romantismo no seu dia a dia. Não exagere, é claro! Muito doce na sobremesa enjoa! No entanto, você precisa primeiro envolver seu coração de Romantismo. Isso envolve gratidão pela vida, saúde mental e muita, mas muita sensibilidade. Romântico que não aprecia a Música ganha nota Zero! Deite-se em sua cama e fique sozinho apreciando uma boa música! Deixe sua imaginação voar para onde você quiser! Ah, nós temos um tesouro eterno: nossa mente e espírito. Ninguém poderá entrar nesse Reino Mágico! Só você tem a chave dos seus pensamentos. Precisa educar seus pensamentos e sentimentos para se tornar um romântico.

Romantismo combina com refinamento e educação. No entanto, algumas pessoas só têm verniz, mas não são românticas. Tem o coração frio como pedra! Assim, não vale!

Um coração romântico está cheio de amor pela vida, pelos animais e pela natureza! Isso é loucura ou bobagem? Não! Quem aprecia as coisas boas da vida, geralmente é romântico. Ser romântico não é apenas o gesto de presentear ou falar palavras belas. Ou mesmo fazer cantigas românticas e poemas brilhantes. Ser romântico é ter um coração sensível. Ele deve ser sensível ao sofrimento humano, mas sem ressaltá-lo. Ser romântico é apreciar as coisas boas da pessoa amada. Como se colocasse óculos com lentes especiais. O romântico está atento à vida real, mas só aprecia o que é belo e vê o belo nos outros.

Aprecie o ser amado todos os dias. Viva com a pessoa amada um dia de cada vez. Todos os dias você precisa refazer a conquista. Conquista espontânea. Esse romantismo tem alma de criança! Romantismo envolve criatividade! Envolve generosidade de fazer feliz o outro sem pretensão, mas simplesmente pelo prazer de fazer feliz o outro.

O coração romântico não mora nas almas grosseiras que desfilam pelo mundo maltratando pessoas e animais. Elas estão doentes ou infelizes. O Romantismo costuma viver numa alma feliz. E, mesmo que ela esteja infeliz, ninguém percebe. Tem um toque que atrai as pessoas, envolve e encanta.

Não cito aqui o Romantismo dos sedutores vorazes. Aqueles que pensam que a mulher é um objeto a mais. Isso não é Romantismo. O homem "galinha" usa o romantismo para a sedução. Vale pouco! Não tem conteúdo esse romantismo barato com segundas e terceiras intenções. Passada a fase inicial da conquista o homem se transforma naquilo que é e sempre será: um caçador em busca de sua prêsa. Não ama ninguém somente a si mesmo.

O mundo precisa de pessoas românticas. Quer viver sempre um grande amor? Seja uma pessoa eternamente amorosa e romântica. Estará bem perto de atingir a felicidade! Ah, as pessoas românticas sofrem mais? Engano seu, amigo internauta. Quem não compreendeu seu Romantismo e sua sinceridade, não merece seu amor!

Quer saber se é um romântico incurável?

Algumas pistas:

Lembra-se , quase sempre, das datas importantes: aniversário de casamento, aniversário da pessoa amda e por aí vai.

Adora ouvir música e dançar.

Muito carinhoso. Surpreende a pessoa amada com toques especiais no dia a dia: uma carta, um bilhete apaixonado ou um e-mail especial.

Aprecia as conversas dos seus amigos e da pessoa amada. Sabe ouvir e elogia com sinceridade.

É criativo! Não pode levar a pessoa amada a um bom restaurante, capricha numa idéia criativa, num jantarzinho agradável em casa mesmo.

Na hora de sedução, estica bastante as preliminares para dar o máximo de prazer à sua parceira. Sabe o que ela gosta de ouvir na hora do prazer.

Evita gritos e discussões acaloradas.

Extremamente nostálgico. Aprecia tudo o que é bom e belo.

Um verdadeiro gentleman sem ser um bobão, é claro.


O que achou? Passa longe dessas qualidades básicas de ser um romântico? Comece hoje mesmo a mudança. Pra valer mesmo!

As mulheres agradecem.


Você é mulher?Ajude seu companheiro a ser mais romântico, através do seu exemplo. Lembre-se da frase que está na mídia: "Ensine pelo exemplo!"






Alessandro Alves

Alessandro é um romântico virtual incurável.


Sandra Cecília

 

Copyright © 2003-2009 Relax Mental
Sandra Cecília / Renato Augusto - Relax Mental - desde 13 de junho de 2003