Dona Cotinha - 12/07/2007
Violência é covardia!

Mulher espancada no ponto de ônibus!





Retorno ao site com novas energias. Estive em repouso durante algum tempo por causa de uma dor nos joelhos. Coisa da idade! Afinal, ter mais de cem anos não é brincadeira!

Minha mente está muito lúcida. Acompanho todas as notícias do jornale da televisão. A mente bem informada envelhece menos e evita o mal de Alhzeimer.

Fiquei muito triste quando soube daquela moça que foi espancada no ponto de ônibus por um "grupo de jovens." Minha bisneta, uma adolescente de dezoito anos viu em algum jornal o seguinte. Se fossem jovens pobres , a mídia noticiaria: "Mulher é espancada no ponto de ônibus por uma quadrilha." Como são rapazes de classe média ou classe alta( não sei ) o termo é amenizado: grupo de jovens.

Minha indignação chegou ao ápice. Tive que me acalmar para não ter um piripaqui. Na minha idade, as emoções tem que estar sob controle.

O pai de um dos rapazes afirmou na mídia: "É uma criança ainda!"

Criança? Um jovem que espanca uma mulher e a deixa com o olho roxo é uma criança? Ah, não! No meu tempo , não tinha nada disso. Criávamos nossos filhos com respeito aos mais velhos. Havia algo chamado : disciplina. Hoje, os jovens não sabem diferenciar sua turma da mãe e do pai. Não concordo com isso. Pai e mãe indo a baladas com filhos. Pai é pai. Mãe é mãe. Amigo é amigo! Os jovens chamam os pais de "cara, meu!" "você" e por aí vai.

Não concordo com uma educação levada pelo temor, mas aprovo o diálogo e os limites. Sim, os jovens de hoje estão muito abusados. Não há mais respeito. Os valores materiais superam os espirituais. Um dia desses, conversando com amigas da minha bisneta observei o seguinte. A maioria diz não acreditar em nada. Não têm religião. A falta de valores espirituais os empurra para um prazer ilusório: as drogas.

Ah, essas "crianças" como disse o pai do jovem infrator... Mereceram e não tiveram umas palmadas no bumbum na hora certa. Certamente, tem tudo à mão: carro, dinheiro e facilidades. Acham-se o máximo. Espero que a justiça seja feita.

É a impunidade que dá força a esses crimes bárbaros. Brechas na lei libertam esses infratores que não se corrigem , mas voltam a fazer as mesmas coisas.

Não quero generalizar. Os jovens são o futuro da Terra, mas a família tem que saber o lugar que lhe cabe na educação e formação deles. Tem que haver muito diálogo, noções de disciplina, amor e carinho. Facilidade material, carro na mão, dinheiro no bolso não educa um jovem! Um jovem que não tem amor dentro de casa vai procurar novas emoções na rua.

Tudo começa no lar!

Gosto de caminhar um pouco ainda, mas agora acho que vou me inspirar em James Bond. Vou arrumar um spray de pimenta, bengala que dá choque, bolsa à prova de gilete e
por aí vai.

Esses jovens tem que ser punidos e recuperados. Têm que sentir na pele que a vida não é assim. Sair por aí batendo em mulheres, botando fogo nos mendigos. Isso é crime! Em nada diferem dos criminosos que andam pelas favelas com seus fuzis amedrontando as pessoas. Em nada diferem dos assaltantes dos bancos. Só falta um pouco para chegarem ao nível desses criminosos bárbaros.

Por favor, criança é um ser alegre, esperto e inofensivo. Criança é criança!

Aquele que tem a idéia maldosa de agredir uma mulher honrada tem que também ter a coragem de pagar pelo seu erro!

Bem, pelo menos fiquei sabendo de um progresso. Homens que espancam suas esposas, hoje em dia, não ficam mais impunes. Agora, é xilindró mesmo!

Até mais, queridos!

Vamos fazer uma retrospectiva interior para limpar o ressentimento, o pessimismo e o desânimo!

Desejo a todos vocês jovens da primeira idade, segunda idade e quarta idade, um feliz Ano Novo!

Obs: a imagem foi tirada da internet. Quem souber a autoria dessa imagem favor me escrever para dar os devidos créditos.

Cotinha Fernandes


Cotinha é nossa personagem virtual. Leia a entrevista de Dona Cotinha, clicando aqui!Entrevista com Dona Cotinha.


Sandra Cecília

 

Copyright © 2003-2009 Relax Mental
Sandra Cecília / Renato Augusto - Relax Mental - desde 13 de junho de 2003