Relacionamento - 07/09/2007
Os meus , os seus e os nossos!




Atualmente, a sociedade e a família mudaram porque a mulher mudou. Está independente e o homem praticamente perdeu a função de provedor da família.

No tempo dos nossos avós, casamentos se arrastavam por conta da dependência financeira da mulher em relação ao esposo.

No mundo moderno, as pessoas ficam juntas porque se gostam. O casamento de conveniencia cedeu lugar a novas uniões e outros tipos de relacionamento. Casamento com casas separadas. Morar junto. Ou simplesmente uma relação estável em que cada um toma conta da sua vida financeira.

O homem e a mulher moderna ficaram mais impacientes e imediatistas. O relacionamento começou a se desgastar é fadado ao rompimento. Os relacionamentos também ficaram muito descartáveis. O preço que se paga pela nova forma de repensar a instituição familiar. Novos casamentos podem gerar filhos. Então é assim: os meus, os seus, os nossos filhos.


A mulher está mais exigente. Pode pagar a conta do restaurante. Rachar as despesas da viagem a dois. Ou mesmo ter a incumbencia de sustentar a casa enquanto o marido cuida do lar.

No entanto, a raiz biológica ainda tem muita força. Mulheres ainda desejam mesmo que de forma inconsciente o companheiro provedor. O gentleman que paga a conta do restaurante.

Alguns homens têm muito receio de mulheres bem sucedidas. E elas se queixam de solidão. Comentam que os homens não querem mais compromisso sério.

Alguns relacionamentos se desgastam quando o homem ganha menos do que a mulher ou está desempregado.


O mercado de trabalho mudou. Os relacionamentos também. A mulher deseja um homem bem sucedido, com carro, boa pinta, vaidoso. O homem também quer uma mulher escolada, independente e bonita.

Você acha que o valor de uma pessoa pode ser medido pelo seu status social ou marca de carro? Claro que não! O caminho profissional do homem pode falar muito sobre ele, mas não é tudo. Não confunda amor com interesse financeiro.

Uma cliente minha de vinte e cinco anos, começou a sair com um homem mais velho. Depois de alguns encontros, ele sumiu. Ela foi ao meu consultório e se queixou do sumiço do homem. Perguntei a ela se estava gostando dele. E o que sonhava para sua vida amorosa.

Ela me respondeu:

- Ele estava querendo me ajudar financeiramente. - em nenhum momento falou em simpatia, carinho ou até amizade. Parecia mais preocupada com sua conta bancária no vermelho.

Relacionamentos que começam errado podem dar errado também.

Menos exigência e mais capricho. Às vezes, quem exige muito tem pouco a oferecer.

A família moderna é feita de enteado, ex-mulher, ex-marido. A ex-mulher magoada pode surgir nesse contexto familiar. Um ex-marido ciumento e possessivo pode interferir no relacionamento da ex-mulher.

E a mulher sonhadora que pensava estar vivendo um sonho de amor com um homem separado... O que encontra? Cacos do primeiro casamento do seu companheiro atrapalhando a vida conjugal. Depois, da paixão inicial, o casal apaixonado começa a enfrentar testes e obstáculos: ex-mulher carente, filhos indisciplinados e ciumentos.

Depois, essa mesma mulher sonhadora muda de idéia: quer um filho do marido complicado. No início , ele foi bem firme: "Eu já tive tres filhos. Não quero mais filhos na segunda união." A segunda esposa concorda, mas o tempo passa. Sonha com um bebê encantando sua vida.

Conversem muito a respeito de filhos e evitarão muitos dissabores e frustrações.

Corte os vínculos do primeiro casamento se quiser um nova pessoa em sua história amorosa. Se ainda está emocionalmente ligada ao ex nada dará certo.

Uma convivência harmoniosa com a primeira e segunda família exige muita tolerância e papéis definidos. O pai é somente o pai. Não é mais o marido. A ex-mulher agora só é a mãe dos seus filhos. Seu namorado é seu namorado. Não pode fazer papel de pai dos seus rebentos.

Arrumar namorado para se vingar da traição do ex-marido complica mais a sua situação. Se não quer para você não faça para outrem.

Uma ex-mulher ciumenta pode trazer muitas complicações. Definir limites através do diálogo deve ser o caminho natural para um segundo relacionamento feliz.

Casar muitas vezes nem sempre significa maturidade emocional. Pode ser traço de uma personalidade insegura e volúvel. Aquele que é atraído apenas por relacionamentos descartáveis carece de maturidade psíquica. Não está pronto para outro vínculo.

Vá com calma se está recem-separado. Uma relação mal resolvida não faz bem. Poderá atrair alguém muito parecido com o ex ou com a ex.

O amor é uma questão de conquista. Amadurece aos poucos. Segundos casamentos dão certo por conta das lições aprendidas no primeiro casamento.

Não cometa o mesmo erro duas vezes. Ou então espere mais para casar de novo ou morar junto.

Procure apoio da justiça se sentir lesado ou ameaçado por seu ex-marido ou ex- mulher. Algumas histórias podem ter final trágico. Uma esposa que foi traída pode se tornar uma feroz inimiga. Um ex- marido pode se vingar da iniciativa da separação da esposa negando ajuda financeira. Confiar na lei e na justiça pode evitar muitos dissabores. Procure apoio da sua família também.

Alguns casais convivem muito bem com essa nova família: os meus, os seus e os nossos.

Pense bem. Junte os cacos do ex-relacionamento e jogue no lixo do passado. Resolva as pendências judiciais e familiares. Diálogo sempre. Franqueza e sinceridade.

Converse com seus filhos. Tenha paciência. É difícil para eles aceitar uma nova companheira. Tudo tem seu tempo.

Saiba fazer escolhas. Trair pode não ser o caminho adequado para salvar um relacionamento falido. Escolha o caminho da assertividade.

Saiba a diferença entre tentar novamente e insistir num casamento desgastado. Pense bem antes de tomar uma decisão. Se você ainda ama a pessoa amada, uma terapia de casal pode ajudar. Esgote todas as tentativas de reconciliação antes de partir para outra relação.

Seja corajoso. Não fique num relacionamento apenas por acomodação.

Não exija perfeição de si mesmo e nem dos outros. Senão vai bater o record de casamentos e acabar sempre sozinho.

Seja feliz!



Sandra Cecília

 

Copyright © 2003-2009 Relax Mental
Sandra Cecília / Renato Augusto - Relax Mental - desde 13 de junho de 2003