Relacionamento - 09/12/2007
Insegurança no relacionamento amoroso





A segurança no relacionamento amoroso é instável como nossas emoções. Depende unicamente de você mesmo. Como está sua carência interior? Não leve para seu relacionamento questões mal resolvidas.

Você acredita no seu relacionamento? Confia na pessoa amada? Confia em você mesmo?

Acreditar numa segurança permanente é crer que as nuvens não vão desaparecer do céu. Somos pessoas mutantes. Ainda instáveis. Bem, o mínimo de confiança você tem que ter no relacionamento e na pessoa amada.

No entanto,o fluir gostoso do relacionamento provoca confiança na pessoa amada. Tem que haver a confiança e a entrega do coração. Se você não se entrega, não há confiança. Isso não evita dúvidas e céu carregado depois de um dia de sol. Quando a maturidade psíquica faz parte do relacionamento, as arestas são aparadas. Desentendimentos resolvidos através da comunicação.

Algumas pessoas podem sentir em determinada fase do relacionamento que algo não está bem e afirmam: "Ele não me deixa segura." "Não consigo confiar no relacionamento." "Ela não me passa confiança."

As piores crises de ciúme podem vir de uma personalidade insegura e muito carente. Sempre o poder e o controle. A pessoa sente de imediato que o outro tenta o controle através da manipulação.

Uma frase: "O que você pensa a meu respeito é problema seu."

Desconfiança, carência, insegurança, podem fazer parte do seu universo de pensamentos e , não, exatamente das atitudes da pessoa amada. Trabalhe suas dificuldades interiores através da assertividade.

Aí você me diz: "Mas ele está diferente comigo." Nada como o diálogo. Separe a imaginação da realidade. A falta de um telefonema, o atraso num encontro, o e-mail que não veio, pode provocar uma nuvem de pensamentos negativos como: "Ele está esfriando comigo." "Ela não era assim." "Arrumou outra."

Será? Controle sua nuvem de emoções. Dê a pessoa amada o benefício da dúvida. Espere antes de tomar conclusões. Converse antes de tomar atitudes impulsivas. Nós temos a mania de pensar de modo negativo. Saberá pelo instinto se ele está diferente ou não.

É difícil aceitar o outro. O outro não é como você. O outro é o outro. Diferente. Virtudes únicas. Defeitos diferentes. Não aceitamos. Batemos o pé. Grande parte das brigas acontecem, porque sempre desejamos que o outro mude. O outro não muda só ,porque a gente quer.

Geralmente, a mudança deve começar do nosso auto-aprimoramento. Resolvendo as pendências de outros relacionamentos fracassados. Insegurança. Medo de ser amado. Medo de se entregar.

Uma moça apaixonada de 25 anos afirmou:

"Quando eu namorava o Ricardo adorava passar e-mails para ele. Mensagens bonitas. Ele jamais respondia. Agora, namoro o Paulo. Não passo mais e-mails de jeito nenhum. Ele pede. Eu não quero mais passar por boba."

Não confunda as coisas. Ricardo é o Ricardo. Paulo é o Paulo. Dizem algumas mulheres que os homens são todos iguais. Não são. Mulheres são todas iguais? Não. Somos seres únicos, brilhantes, contraditórios. Uma atitude pode não dá certo com uma pessoa , mas fará um efeito surpreendente com outra.

Não force a barra para agradar a pessoa amada.

"Não impor. Propor."- essa frase é do psicólogo orientador do programa "Casos de Família" no S.B.T. Quem souber o nome dele, me escreva.

Impor atitudes e comportamentos desanda a relação. Não provoca efeitos duradouros. Se tiver que mudar alguma coisa no relacionamento, mude você a forma de ver a situação.

Ou então mude de namorado!

Ou de namorada!

Ou de marido!

Ou de esposa!

Trabalhe sua carência, fazendo um exame de consciência e invista no relacionamento se achar que vale a pena. Saberá quando e como fazê-lo.

Na linguagem do amor verdadeiro, a palavra ideal é : deixar fluir, pegar leve, conversar, ser natural.

O Amor não é luta!

O Amor é ! Quando verdadeiro ele fica... apesar de todas as contradições do ser humano.

Seja feliz!


Sandra Cecília

 

Copyright © 2003-2009 Relax Mental
Sandra Cecília / Renato Augusto - Relax Mental - desde 13 de junho de 2003