Entrevistas - 20/06/2008
Entrevista com o professor e escritor Maurício de Castro





A venda de livros e romances espíritas tem aumentado muito nos últimos tempos. Os leitores de livros espíritas estão à procura de respostas que o mundo atual não responde. Desejam saber o que acontece depois da morte, sua missão no mundo e a causa de todos os sofrimentos . A leitura espírita é um caminho para a esperança e a fé em dias melhores.

Essa entrevista é muito especial para nosso site. Vamos saber um pouco mais sobre a vida de Maurício de Castro escritor e professor. Publicou a obra Nada é para sempre- pelo espírito de Hermes, seu mentor espiritual. Esse livro foi lançado recentemente através da Editora Lúmen e já é Best seller entre os livros espíritas. Está em primeiro lugar no ranking !

Maurício de Castro nasceu em Riachão do Jacuípe na Bahia em 30 de março de 1980.

1-Relax Mental: Você teve seu contato com o Espiritismo aos 14 anos através das obras de Zíbia Gasparetto e Allan Kardec. Fale um pouco dessa época marcante em sua vida:

Eu estava passando por uma fase bastante difícil em minha vida. Aos treze anos comecei a me sentir mal, ouvir e ver coisas que as outras pessoas ao meu redor não viam nem ouviam. Na verdade, era minha sensibilidade mediúnica que estava se abrindo e eu não sabia e nem entendia do assunto. Minha mãe, preocupada, começou a me levar a médicos, fiz vários exames e concluíram que eu não tinha nada no físico, minha saúde era perfeita. Passei então a ser examinado por psiquiatras e psicólogos que atestaram também minha saúde mental, pois não havia quadro clínico que comprovasse uma psicose. No entanto, os sintomas continuavam, eu passava mal, sentia angústia, medo, dores que circulavam por todo o meu corpo, arrepios. Naquela época, minha prima Marinalva havia terminado de ler o livro O Matuto de Zíbia Gasparetto e além de maravilhada com a história dizia ter encontrado na obra a explicação para o que eu estava sentindo. Até aquele momento ninguém havia pensado que seriam problemas com a mediunidade. Todos em minha família eram bastante católicos e pouco falavam em outras religiões, muito menos em Espiritismo. No entanto minha mãe, uma mulher muito inteligente, na esperança de ver solução para meus problemas começou a ler o livro também. À medida que lia, ela se emocionava, chorava, por ver retratada naquelas páginas um pouco de minha história. Como sempre amei a literatura assim que ela terminou a leitura eu comecei. Parecia que um novo mundo havia se descortinado em minha mente. De repente, passei a ver a vida de outra forma e a entender o porquê de tanto sofrimento no mundo. Foi uma identificação imediata, principalmente porque me vi no personagem Jorginho, um rapaz que tinha problemas com a mediunidade sem a devida educação. Imediatamente passei a freqüentar o Centro Espírita Jesus Nosso Mestre, tomei passes e entrei em contato com as obras de Allan Kardec, onde pude estudar e equilibrar minha mediunidade. Os sintomas passaram principalmente, porque aprendi a disciplinar meus pensamentos, minhas emoções e a utilizar o recurso da prece. Entendi que para estar em contato com os bons espíritos é preciso acender nossa luz interior, acreditar no bem, fazer a nossa parte. Depois de O Matuto li todos os livros de Zíbia Gasparetto e hoje sou seu grande fã.

2- Relax Mental: Os estudos da obra de Allan Kardec fizeram alguma diferença em sua vida?

Uma diferença grande. Os livros da Codificação espírita quando estudados com seriedade, sem apego à letra ou fanatismo mudam nossa vida por completo. É impossível ser a mesma pessoa após adquirir um conhecimento tão profundo quanto o exposto pelos espíritos e por Kardec. Nossa visão se amplia, temos mais senso de responsabilidade. Saber que a vida continua, que passamos por várias reencarnações para chegar à perfeição total, nos deixa com a convicção de que somos os donos do nosso destino e que somos seres eternos. É uma felicidade muito grande. Além do que não podemos ser médiuns sensatos, comprometidos, racionais sem o estudo ininterrupto da obra de Kardec. Quem se lança ao trabalho mediúnico sem esse conhecimento corre sérios riscos. Infelizmente hoje em dia muitos médiuns e muitos espíritas não se propõem a estudá-la.

3-Relax Mental: Qual a pessoa que mais o influenciou no caminho da mediunidade e psicografia?

Eu sempre tive todo o apoio de minha família. Não dá para fugir da mediunidade. Quando ela se desenvolve temos que encará-la de frente, sem medos, sem superstições. A ignorância criou muitos mitos a respeito da mediunidade, quando na verdade ela é uma ferramenta a mais para o homem alcançar o progresso, ser mais feliz. Além de tudo é uma condição natural a todas as pessoas. Minha mediunidade era sensitiva, e eu não sabia que um dia iria psicografar. Só aos 23 anos foi que iniciei essa tarefa, depois de quase dez anos de estudos. Uma pessoa que muito me influenciou no caminho mediúnico foi Zíbia Gasparetto. Mesmo sem um contato pessoal eu acompanhava todas as semanas seus artigos na Revista Contigo, aprendendo com sua experiência e sabedoria. Quando comecei a escrever, reli tudo e pensei “o caminho é esse”.

4- Relax Mental: Como foi o primeiro contato com seu guia espiritual, o espírito de Hermes? Comente um pouco sobre Hermes, a origem, vidas passadas.

Eu sempre senti sua presença, desde a infância. Na adolescência, em momentos de meditação, ouvia sua voz amiga, sentia seu pensamento me aconselhando, mas não sabia que era o meu mentor, acreditava ser um dos muitos espíritos amigos que nos ajudam e inspiram. Muito da pessoa que sou hoje devo às orientações desse espírito, mas só em janeiro de 2004 foi que meu contato com ele tornou-se verdadeiramente intenso e ostensivo. Eu havia terminando de escrever um livro de crônicas espiritualistas da minha própria autoria, enviado para várias editoras, mas nenhuma delas o aceitou. Diante disso, acreditei que eu não era bom para escrever e que deveria esquecer aquilo. Eu faço meditações diárias e, num desses momentos, uma voz se aproximou de mim dizendo que eu precisava escrever um livro. Sorri e pensei: “mas eu acabei de escrever um e não deu certo, como vou escrever outro”?
A voz respondeu que dessa vez seria diferente, que ela ia ditar e eu escrever, pediu que eu fosse para o computador, abrisse o programa de escrita e esperasse. Confesso que fui a contragosto, pensando que não ia dar em nada. Assim que me concentrei, as primeiras frases de um romance começaram a surgir, e em menos de meia hora, já estava com o primeiro capítulo pronto. Ao final, a mesma voz me orientou que escolhesse alguns dias da semana para essa tarefa e fixasse um horário. Assim fiz e o romance foi seguindo. A história era interessante e cheia de ensinamentos, mas o espírito comunicante não se identificava. Ao final, cinco meses depois, ele escreveu o prefácio da obra e assinou: Hermes. Só com o tempo, à medida que o contato foi ficando mais íntimo, é que soube tratar-se de meu mentor e que tínhamos uma tarefa juntos. Com o livro impresso enviei para a editora Vida e Consciência que gostou da obra e a publicou. Sobre o Hermes ainda sei muito pouco, o que posso dizer é o que até agora ele me disse: foi um jovem paulista que viveu pouco e desencarnou na década de 30 com 25 anos. Sempre gostou de escrever e na espiritualidade recebeu a tarefa de ditar romances com ensinamentos. Sobre suas vidas passadas até o momento não tenho nenhuma informação. Prefiro que certas revelações venham espontâneas.

5- Relax Mental: Gostaríamos de saber como é seu processo de interação com Hermes na elaboração dos seus livros de sucesso.

Atualmente meu contato com o Hermes é muito intenso e quase diário. Ele elabora os romances no plano espiritual e vai me ditando. Eu pouco tomo parte do processo de criação. Como médium consciente, às vezes interfiro na forma ou na linguagem, mas nunca na história. Vou tomando conhecimento do que vai acontecer à medida que a romance é narrado. É um processo interessante, pois desperta em mim a curiosidade natural pelo desenrolar do enredo, e me faz ter mais vontade de me entregar à escrita. Além de tudo eu sou primeiro beneficiado pelos ensinamentos que ele mostra. É gratificante.

6- Relax Mental: Você começou a escrever seu primeiro romance em 2004. Quantos livros você já escreveu e publicou?

O AMOR NÃO PODE ESPERAR foi o primeiro, depois dele foi lançado NADA É PARA SEMPRE. Tenho mais dois romances prontos e um em andamento. Além desses estou escrevendo um volume de crônicas ditadas por espíritos diversos.






7- Relax Mental: Como está vendo o sucesso de vendas do seu livro atual "Nada é para sempre"? Qual o tema abordado pela história?

Confesso que esse sucesso está me surpreendendo. Principalmente porque é uma obra muito simples, sem nenhum apelo literário. A história é interessante e foi um trabalho realizado com muito amor. É um romance que explica o porquê dos fatos da vida serem tão passageiros e efêmeros. De repente você está no poder, com muito dinheiro, saúde, amor e perde tudo. Porque isso acontece? Em contraposição, você pode estar passando por uma série de problemas, pensando não haver saída e, de repente, tudo se modifica para melhor. O livro mostra que há uma causa para tudo isso, e que essa causa está na sabedoria do universo, que comanda tudo em nossa vida visando à evolução do nosso espírito imortal. Outro ponto importante é a nossa ambição desmedida e as ilusões do dinheiro fácil. A grande lição do livro é: esteja preparado, pois nada na vida dura eternamente.

8- Relax Mental: O que acha mais difícil na elaboração de uma boa história? Em alguns momentos, já discordou do seu guia espiritual?

Eu não elaboro as histórias, mas como leitor e médium, acredito que um bom romance tem que ter muitos lances de realidade, de vida, um enredo em que o leitor possa se identificar e encontrar soluções para seus conflitos. Talvez por isso o Hermes goste tanto de escrever histórias modernas. Nessas histórias os problemas atuais são abordados visando à melhoria da qualidade de vida de quem as lê. Vivemos numa época onde os valores estão completamente invertidos, as pessoas se sentem perdidas com seus problemas, não sabem como agir. Há muita solidão, depressão, ódio, vaidade e busca por coisas fúteis. O homem moderno conquistou o luxo, o sofisticado, mas não conquistou seu mundo interior, não sabe lidar com suas emoções, seus medos, seus fracassos. É aí que entra a voz dos espíritos chamando a atenção para a vida interior, para a alma que quase nunca é ouvida. No trabalho de psicografia, até agora eu nunca discordei de nada que foi dito pelo meu mentor. Há algumas coisas que não entendo no momento, mas depois acabo por encontrar explicações. Nós temos muita afinidade de pensamentos, acho difícil encontrar algo que eu vá discordar. Mas é bom lembrar que os espíritos não sabem tudo e não são os donos da verdade. Temos sempre que analisar com muita cautela tudo o que eles nos dizem, passando sempre pelo crivo do bom senso como orientou Allan Kardec. Se algum dia eu discordar, terei a liberdade de fazer o que quiser com a informação, inclusive de não a aceitar. Além de tudo, meus livros são analisados por pessoas experientes, com muitos anos de estudo.

9- Relax Mental: O amor não pode esperar também foi um livro de grande sucesso publicado pela Editora Vida e Consciência. Você também acha que o amor não pode esperar? Em sua opinião, quais as prováveis causas do aumento da criminalidade e da violência no Brasil. Quais seriam as soluções para amenizar o quadro da violência, principalmente entre as crianças.

Hermes sempre diz a seguinte frase: “viver o amor em plenitude é a única forma de escapar da dor e evoluir sem sofrimento.” Eu tenho a certeza que é por falta de amor que o homem sofre tanto na Terra, por isso ele não pode realmente esperar, tem que ser vivido desde já. As pessoas quando vêem o título desse livro logo pensam que ele vai abordar o amor entre duas pessoas, mas vai muito além, fala da necessidade de amar como o caminho mais curto para a felicidade. Vemos hoje muita falta de amor ao próximo, mas o pior de tudo é a falta de amor a si mesmo. As pessoas hoje em dia parecem que não se amam mais, se entregam a todo tipo de experiências, aos vícios materiais e morais, e com isso acabam com baixa auto-estima, cheias de problemas. Falta muito amor próprio hoje. As religiões erroneamente ensinaram a amar o outro primeiro, a fazer tudo pelo outro, que é lindo se anular em favor do próximo, mas isso sempre dá errado. Quem não se ama primeiro e está equilibrado nada poderá fazer pelos outros. É por isso que há tanta gente boazinha sofrendo. As pessoas boazinhas não colocam sonhos de pé, não saem do lugar, pois vivem para os outros. Com isso atraem toda a sorte de problemas por não estarem centradas em si. É preciso amar, mas que esse amor venha primeiro para a própria pessoa. Jesus disse: “amai ao próximo como a ti mesmo.” As pessoas têm esquecido do “ti mesmo”. Talvez a violência esteja tão grande justamente por isso. Em termos de violência também devemos lembrar que houve uma “varredura” no plano astral e muitos espíritos ainda inferiores reencarnaram de vez na tentativa de terem uma última chance no planeta e evoluírem para que possam acompanhar a Nova Era e permanecer aqui. São esses espíritos agora encarnados que estão provocando tanta violência no mundo. Eles vieram aprender conosco, mas nós nos acovardamos, acreditamos no mal, tememos o mal, com isso damos força para que eles continuem no mesmo caminho. Se nossa vibração fosse outra eles não iriam conseguir nos atingir com a violência e seriam forçados a mudar de tática. O mal só entra onde há a sintonia, não podemos nos esquecer disso. Em nosso país a lei visa a uma punição sem educação, sem a reabilitação, de forma que quem é punido em vez de melhorar acaba por acirrar o lado pior, colando pra fora ainda mais maldade. Não há outra solução a não ser educar a sociedade para que ela tenha outros valores, espiritualize-se, tenha outras crenças. Enquanto dermos tanto valor ao mal a violência vai permanecer. Infelizmente hoje as crianças tem sido um alvo cada vez maior, sem contar a violência que é a pedofilia. Contudo tenho aprendido com a espiritualidade que não existem vítimas e que nada acontece por acaso. As crianças que hoje são atingidas pela violência foram violentas em vidas passadas, acreditaram no mal como solução de seus problemas, por isso já nascem predispostas a sofrer esse tipo de agressão. É claro que isso não justifica a maldade de muitos, mas é a única forma de explicar o sofrimento das crianças conciliando-o com a bondade de Deus, que nunca erra. Não podemos esquecer que as crianças só são crianças no corpo físico, nelas existe um espírito imortal que já viveu outras experiências, sofreu, amou, fez sofrer, enfim viveu e fez atos que hoje necessitam ser reparados. Só a reencarnação pode explicar, inclusive o fato de muitas delas sofrerem doenças congênitas, incuráveis. Não se trata de uma punição de Deus, mas uma necessidade de reparação e evolução. Infelizmente, os pais estão esquecendo de ensinar os valores eternos do espírito aos seus filhos. As crianças hoje estão crescendo sem uma base do que seja saudável, bom, do que realmente é necessário para se tornarem jovens equilibrados e felizes. É lamentável.

10- Relax Mental: Além de escritor você também é professor de Ensino Fundamental na cidade onde nasceu. Está fazendo o curso de História pela Faculdade de Tecnologia e Ciências. Quais são suas metas para o futuro? Algum sonho especial ainda não realizado?

Minha maior meta é continuar escrevendo com o Hermes, levando às pessoas histórias que as façam refletir e mudar para melhor. Sonhos tenho muitos, um deles em especial é escrever uma história de época. Sou fascinado pela Europa, principalmente pela França, Espanha e Rússia. Também gosto da época do Brasil colônia. O Hermes avisou que não vai escrever romances de época, que seu objetivo é abordar os temas atuais, pois sua tarefa é auxiliar na solução dos conflitos do homem moderno. Embora eu concorde com ele, também acho que histórias antigas são fascinantes e bons meios para se compreender o presente. Por isso sonho em escrever de minha própria autoria um romance histórico, mas ainda não o ambientei, nem criei nada. Também não sei como me sairia escrevendo sozinho. Vai ser um desafio.

11- Relax Mental: O que faz para relaxar durante as tensões do dia a dia?

Meditação. É a hora do meu encontro com Deus. Nos tempos de hoje, temos que ter uma hora reservada para isso ou então enlouquecemos. Não consigo entender como algumas pessoas vivem só o lado material da vida durante 24 horas. Essas pessoas perdem muito cedo a jovialidade, adoecem, e acabam morrendo mais cedo também. É o contato com o espiritual que nos revigora, nos deixa aptos a viver melhor.

13- Relax Mental: Um lugar inesquecível.

A minha cidade é um lugar inesquecível.

14-R.M: Virtude mais apreciada nas pessoas:

A autenticidade.

15-R.M: Uma tristeza

Ver pessoas que tem tudo para serem felizes, mas mesmo assim vivem numa profunda infelicidade sem que eu possa fazer nada. Acho triste isso, embora seja uma escolha pessoal.

16-R.M: Uma alegria:

O sucesso de meus livros. É gratificante saber que um trabalho nosso encontrou eco no coração das pessoas.

17-R.M: Cor preferida:

Amarelo.

18-R.M: Estilo de música preferido:

Sou eclético. Acho que a música morreu um pouco nas últimas décadas. Os compositores perderam mais a inspiração talvez por causa dessa época de transição por qual passa nosso planeta.

19- Relax Mental: Agora, descreva Maurício de Castro com apenas uma palavra.

Otimismo.

20-Relax Mental: Maurício de Castro, gostaria de agradecer sua presença em Relax Mental . Deixe sua mensagem para os internautas e os seus leitores.

Gostaria de agradecer pela oportunidade e pelo carinho. Aos leitores também só tenho a agradecer, sem eles nosso trabalho não teria razão de ser. Quero dizer que a espiritualidade trabalha constantemente a nosso favor, coloca tudo sempre nos lugares certos e na hora certa, por isso é importante ficar ligado no bem, acender nossa luz interior, fazer nossa parte, só assim alcançaremos a felicidade. Muita paz para todos e um grande abraço.

Mauricio de Castro


Sandra Cecília

 

Copyright © 2003-2009 Relax Mental
Sandra Cecília / Renato Augusto - Relax Mental - desde 13 de junho de 2003