Entrevistas - 05/12/2010
Entrevista com a psicóloga Elvira Gross

   





Mais de 40% dos brasileiros tem medo de voar. Medo do avião cair ou mesmo de passar mal dentro durante a viagem. Algumas pessoas enfrentam o medo e voam assim mesmo.Outras desenvolvem uma fobia, isto é, evitam o objeto do medo: o avião. Sua vida fica muito limitada e frustrante.

Como enfrentar o medo de avião? Por que sentimos medo de voar? Conversamos com a psicóloga e terapeuta Elvira M.B.Gross formada em Psicologia Clínica pela Universidade Federal de Londrina.

    Atualmente, atende em sua clínica especializada em medo de avião em São Paulo.

R.M: - Elvira, você já sentiu medo de voar?

Não, nunca senti medo de voar, mas entendo perfeitamente quem tem este medo.

R.M:  - Por que o interesse no trabalho clínico voltado principalmente ao tratamento de fobias e transtornos de ansiedade?

Porque constatei que a maioria das pessoas desconhece que a fobia tem cura e com grande índice de sucesso, o que me traz grande realização pessoal.

R.M:  - Atualmente, a palavra estress está sendo muito usada para definir vários estados psicológicos doentios como: ansiedade, angústia, pânico. Como é que a pessoa pode saber se está estressada ou não? O estress pode ser a causa das fobias e, também, do medo de voar?

Muitas vezes as fobias, como o medo de voar, podem surgir em uma situação de stress, principalmente quando ocorre alguma situação de perda, mudança, pressão...
Sabemos que estamos estressados quando não conseguimos mais lidar com a tensão emocional. Tanto o corpo como a mente dão sinais de alerta: a memória começa a falhar, começamos esquecer coisas pequenas do dia a dia, fatos, nomes ou tarefas, mesmo as mais simples. O outro sinal do corpo é acordar de manhã, com o corpo cansado mesmo tendo  dormido a noite toda. A sensação de desgaste físico e mental, e mais falhas da memória, questionamentos sobre a própria competência, perda da auto estima, apatia e desinteresse pelas coisas que antes davam prazer são sinais de que a tensão está excessiva.

R.M:  - Como se explica o pânico de voar em pessoas que já voaram muito sem qualquer problema? De repente, do nada, sentem uma angústia inexplicável com a expectativa da viagem. E começam a evitá-las.

O medo é aprendido. Você adquire o medo por intermédio de condicionamento, por exemplo, quando a pessoa passa por uma experiência ruim, quando aprende observando o medo de outras pessoas ou pela transmissão de informações. Os fatores que contribuem para essa evolução são fatores subjetivos como costumes, traumas passados, fases da vida, confiança e desconfiança, estar ou não no controle e outros fatores emocionais.

R.M: - Em seu livro  AVIÃO- VIAJE SEM MEDO- você ensina várias técnicas de relaxamento. As técnicas de meditação e relaxamento podem mesmo curar ou amenizar uma fobia?

O relaxamento é uma das técnicas mais úteis e eficazes nos casos de medo e ansiedade. Mas temos de praticar muito para conseguir um verdadeiro relaxamento. Essa disciplina de treinamento pode ser muito difícil para algumas pessoas.

R.M: - Você já tratou algum caso muito difícil de pânico de voar? Algumas fobias não tem cura?

As fobias tem cura, mas é necessário a determinação e a participação do paciente.
Os casos que considero mais difícil são aqueles de pessoas que já deixaram de voar há muito tempo, como vinte ou trinta anos...

R.M: - Uma universitária de 25 anos nos escreveu contando que tinha muito medo de tudo, inclusive de voar. Não sabia o motivo e, por conta disso, evitava voar de avião. Meses depois , terminou o noivado. O medo de voar de avião desapareceu completamente. Como você explica isso?

Uma das possibilidades é de que a pessoa passou a enfrentar seus problemas de outra forma e isso acabou dando certo para o pânico de voar.

R.M: - Algumas pessoas que sofrem de claustrofobia tem muito medo de lugares fechados, porque passam mal. Geralmente ,são pessoas que já tiveram ou sofrem de crises de pânico. Elas devem procurar um tratamento psicológico ou arriscar um vôo mesmo sentindo medo?

Não necessariamente um claustrofóbico tem pânico. Seria mais prudente procurar ajuda pois pode haver evolução do problema.

R.M: - Você aconselha o uso de medicamentos antes do vôo para induzir ao relaxamento? Ou mesmo bebidas alcoólicas? Tenho uma amiga que toma calmantes antes do vôo para dormir o tempo todo.

As pessoas que não conseguem relaxar acabam utilizando bebida alcoólica, calmantes ou algo parecido. Estas drogas ajudam parcialmente algumas pessoas mas por outro lado o efeito do álcool em vôos é potencializado, portanto aumenta a chance de ficar embriagado ou ter enjôo. Também o remédio e álcool não é uma solução duradoura, principalmente pessoas que viajam com freqüência por necessidade profissional. Muitos pacientes relatam que tomam vários tipos de calmantes mas acabam tendo efeito contrário.

R.M:  - Elvira, gostaria de saber o que faz para relaxar durante o dia a dia. Quando  viaja prefere avião ou navio?

Primeiro, devemos fazer nossas atividades uma de cada vez e aproveitar o que está fazendo não importa o que seja.
Prefiro sem sombra de dúvida viajar de avião, porque é o meio de transporte mais seguro e mais rápido que existe.

R.M: - Você pretende escrever mais livros sobre fobias?

É possível, porque a cada dia compilamos mais informações, passamos por novas experiências e sempre achamos um ângulo a mais para observar cada  problema.

R.M: - Gostaria que nos desse uma dica para ajudar aquelas pessoas que precisam voar e  sentem medo.

Relaxar, respirar pausadamente, reestruturar o pensamento catastrófico e enfrentar o medo.

R.M: - Elvira, gostaria de lhe agradecer a oportunidade dessa entrevista.

Foi um prazer participar do site Relax Mental.
Estou a disposição para futuras participações.

 www.medodeaviao.com.br





Sandra Cecília

 

Copyright © 2003-2009 Relax Mental
Sandra Cecília / Renato Augusto - Relax Mental - desde 13 de junho de 2003